“Telescola” dá 500 mil espectadores à RTP Memória. Lidera na manhã

A "telescola" da RTP Memória voltou a liderar as audiências na TV portuguesa na manhã desta terça-feira, depois de ter batido a CMTV e até o "Programa da Cristina" na estreia. Mas o share foi menor.

A RTP Memória voltou a liderar as audiências na televisão portuguesa no período da manhã esta terça-feira, depois de a “telescola” ter dado ao canal público um resultado histórico, batendo mesmo o “Programa da Cristina”. Ao segundo dia de #EstudoEmCasa, a aula mais vista foi “Estudo Artista”, às 9h40, que chegou a ter perto de meio milhão de espetadores.

Os dados provisórios, revelados ao ECO pela RTP, e que ainda não incluem as audiências em diferido, mostram que a RTP Memória registou um share de 3,7%, um recuo de meio ponto percentual face aos 4,2% registados no dia de estreia. Ainda assim, os resultados são notórios, com a RTP Memória a conseguir novamente bater todos os outros canais da TV portuguesa entre as 9h e as 11h, sagrando-se líder nas manhãs.

Na segunda-feira, dia em que milhares de alunos do 1.º ao 9.º ano “regressaram” às aulas mas apenas com ensino não presencial, a “nova telescola” na RTP Memória, uma iniciativa do Ministério da Educação, bateu um recorde de audiências. Superou mesmo a “rainha das manhãs” — a apresentadora Cristina Ferreira, da SIC — e até a CMTV.

Já esta quarta-feira, o ECO revelou que a RTP está disponível para continuar com o projeto da “telescola” mesmo depois da pandemia do coronavírus, apesar de a decisão ser sempre do Governo. Uma intenção plasmada nas declarações de Gonçalo Reis, presidente executivo do grupo RTP, que disse na terça-feira que “os conteúdos educativos são decisivos no contexto atual e deverão ser uma marca de futuro na RTP”.

Os resultados inéditos da RTP Memória, impensáveis há poucos meses, acontecem num período excecional para a economia portuguesa, em que uma boa parte do país está em casa e as escolas do ensino básico estão fechadas para evitar a propagação da pandemia. A queda do share de segunda para terça-feira é um indício de que o “fator novidade” estará a puxar pelas audiências do projeto, com vários portugueses a sintonizarem o canal para aferir como é este novo formato de ensino à distância.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Telescola” dá 500 mil espectadores à RTP Memória. Lidera na manhã

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião