Há um prémio de 30 mil euros para o melhor professor de Portugal

  • ECO
  • 7 Fevereiro 2018

Global Teacher Prize chega, pela primeira vez, a Portugal e vai atribuir 30 mil euros ao professor mais inovador. Candidaturas para iniciativa, que conta com apoio da Fundação Galp, já estão abertas.

Já dizia Fernando Pessoa que “o melhor do mundo são as crianças”. Álvaro Laborinho Lúcio acredita que não são apenas o melhor; são o futuro e é assim que devem ser tratadas nas salas de aula de todo o país. Em maio, o júri presidido por este empreendedor entregará à melhor professora ou professor de Portugal um prémio de 30 mil euros, na primeira edição nacional do Global Teacher Prize.

Até lá, as inscrições já estão abertas. Qualquer docente — do pré-escolar ao 12º ano, do ensino privado, público, cooperativo ou especial — pode submeter a sua candidatura no site da iniciativa. Até 10 de março, os interessados têm apenas de apresentar o motivo pelo qual entendem merecer o prémio e cruzar os dedos para serem selecionados como melhor professor do país.

Depois do Reino Unido, Chile e Dubai, o “Nobel da Educação” chega a Portugal, destacando o professor mais inovador face aos muitos desafios que se colocam no contexto escolar. O docente selecionado a nível nacional ficará automaticamente apurado para a eleição global, cujo prémio é de um milhão de dólares (cerca de 804 mil euros). A escolha por terras lusitanas ficará a cargo (para além de Laborinho Lúcio) de Pedro Carneiro (em representação da comunidade educativa), Sara Rodi (em representação dos pais), João Brites (em representação dos alunos), Eduardo de Sá (em representação da comunidade científica) e Alexandre Marques.

Na cerimónia de apresentação do projeto, esta terça-feira, Laborinho Lúcio deixou uma esperança: que o vencedor seja aquele professor ou professora que tenha dado “o direito aos alunos de desenvolverem as suas capacidades de modo a participar na vida pública”.

“Quem é o teu melhor professor”, pergunta o “Nobel da Educação”.Facebook

Galp quer recuperar dignidade da profissão

O Global Teacher Prize chega, este ano, pela primeira vez, a Portugal com a ajuda da Fundação Galp (parceiro principal da iniciativa), da Fundação Calouste Gulbenkian e da Federação Portuguesa de Futebol (responsáveis pela amplificação do projeto).

“Há mais de dez anos que a Galp se tem vindo a envolver em projetos de educação”, sublinhou o presidente da Fundação da Galp, no evento desta manhã. Carlos Gomes da Silva disse que está “absolutamente convencido [de que este prémio] é estruturante para recuperar a dignidade” dos professores.

O gestor acrescentou ainda que qualquer sociedade só tem um futuro sorridente, se existirem “professores comprometidos, desafiantes e desafiados”. Já Rui Costa, representante da Câmara Municipal de Lisboa, elogiou o projeto em causa, referindo que “chega em boa hora”, uma vez que atualmente a classe docente é vítima de alguma “desvalorização” por parte dos políticos e dos media.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há um prémio de 30 mil euros para o melhor professor de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião