Chineses da Geely entram no capital da Daimler. Querem parceria nos elétricos

  • Juliana Nogueira Santos
  • 6 Fevereiro 2018

A Geely terá agora nas suas mãos 3% do capital da Daimler, dona de marcas como a Mercedes Benz. A operação não foi confirmada nem desmentida, mas o interesse numa parceria nos elétricos foi reiterada.

A chinesa Geely, dona da Volvo, terá entrado no capital da alemã Daimler através da compra de ações. A operação, avançada esta terça-feira pela Reuters, terá como objetivo principal o estabelecimento de uma parceria para o desenvolvimento e produção de novas tecnologias no campo dos veículos elétricos.

A dimensão da operação ainda não é conhecida, mas tudo aponta para que a Geely se tenha ficado pelos 3%, visto que, para obter uma posição maior, teria de comunicar a decisão ao regulador dos mercados alemão. À agência, fontes próximas do processo não especificaram se está nos planos da empresa chinesa comprar mais ações.

O interesse dos chineses na dona da Mercedes Benz já era conhecido, sendo que, em novembro, a Reuters noticiou também que a fabricante chinesa ia tentar entrar no capital por outros meios. Até então, a operação não foi confirmada nem desmentida por nenhuma das empresas, sendo que, do lado da Daimler o interesse de novos acionistas é “bem-vindo”.

Em comentário a esta informação, a alemã afirmou apenas que qualquer alteração à sua estrutura acionista vai ser publicada no site oficial. Fontes próximas da Geely confirmam que a empresa chinesa sempre esteve interessada em ter acesso às tecnologias da Daimler, tendo já planeado a construção de um hub conjunto em Wuhan, na província de Hubei.

Os produtores automóveis chineses têm estado sob fogo cerrado devido às quotas de emissões de gases poluentes impostas por Pequim. A produção de baterias e veículos elétricos é já uma necessidade do setor.

Por outro lado, a Volvo, uma das três marcas do portefólio da Geely, já tinha anunciado que a partir de 2019 todos os automóveis da marca teriam motores elétricos, fossem eles híbridos ou totalmente alimentados a energia elétrica. Até 2025, a produtora sueca planeia vender até um milhão de carros elétricos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chineses da Geely entram no capital da Daimler. Querem parceria nos elétricos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião