Mercedes vendeu um Project One em Portugal. Custou três milhões

  • ECO
  • 21 Janeiro 2018

A Mercedes vende muitos carros no mercado nacional, mas nenhum como este. O Project One, basicamente um Fórmula 1 de estrada, com um preço de três milhões de euros vai andar nas estradas portuguesas.

Chama-se Project One. Não é um desportivo ou mesmo um superdesportivo… É outro nível: é um hiper-desportivo. Porquê? Porque é, basicamente, um Fórmula 1 que pode andar na estrada, como qualquer outro automóvel. Uma autêntica máquina para os amantes das quatro rodas, mas que não está ao alcance de qualquer um. Só há 275 unidades. E uma delas vai andar a “voar baixinho” nas estradas de Portugal.

O negócio foi concretizado em agosto, mas só agora é que a Mercedes Portugal revelou que há um português, da região norte do país, que abriu os cordões à bolsa para poder pôr as mãos neste modelo exclusivo da Mercedes-AMG. “Só recebemos um. Foi vendido em agosto”, afirmou a marca. Para conseguir comprar o Project One teve de desembolsar qualquer coisa como 3.000.000 de euros. Ou seja, três milhões de euros.

Não é só o preço que impressiona neste modelo exclusivo. Há muitos outros números que encostam qualquer um ao banco, especialmente estes: cinco motores (um a gasolina e quatro elétricos), 1.000 cv de potência e mais de 350 km/h de velocidade máxima. Ou seja, praticamente três vezes mais do que o limite máximo permitido nas autoestradas nacionais.

Dos km/h, passamos para os segundos: o Project One, cujo arranque da produção só está previsto para 2019 e deverá estender-se até 2020, mantém em segredo o tempo que demora a cumprir os míticos zero aos 100 km/h, mas sabe-se que serão necessários menos de seis para chegar aos 200 km/h — o Bugatti Chiron demora 6,5 segundos a fazer o mesmo.

Há mais AMG

Este Project One não é, contudo, o único Mercedes-AMG a ser vendido no mercado nacional. A fabricante revelou, na apresentação dos números totais de 2017, que houve também clientes para o AMG GT Roadster e o AMG GT R.

Foram vendidos 21 AMG GT Roadster, modelo que está disponível em duas versões, com dois níveis de potência, o AMG GT de 476 cv que custa 180.100 euros e o AMG GT C de 557 cv (209.200 euros), mas também houve dois clientes para o AMG GT R. Só dois foram entregues, mas há mais oito destes automóveis ainda por entregar. O que tem de especial? 585 cv, 3,6 segundos dos zero aos 100 km/h e 318 km/h de velocidade máxima.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mercedes vendeu um Project One em Portugal. Custou três milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião