Trabalhadores vão ter palavra final na transmissão para outra empresa

Proposta conjunta dos partidos da esquerda prevê que os trabalhadores possam opor-se em caso de transmissão do estabelecimento ou parte da empresa. Ficam garantidos direitos contratuais.

Os trabalhadores vão passar a ter o direito de se opor quando estiver em causa a transmissão de estabelecimento ou parte da empresa. Se não se opuserem e forem mesmo transmitidos, vão manter todos os direitos contratuais de que usufruem na empresa de partida. Estas alterações ao Código do Trabalho constam de uma proposta conjunta do PS, Bloco de Esquerda, PCP e PAN e surgem na sequência dos casos dos trabalhadores da PT que foram transmitidos para outras empresas do grupo Altice, para que sejam evitadas situações semelhantes.

Em comunicado enviado às redações, os grupos parlamentares adiantam que desenharam uma proposta conjunta para a “Alteração ao Regime de Transmissão de Empresa ou de Estabelecimento“, o mecanismo legal que permite a mudança de trabalhadores de uma empresa para outra. Isto depois de, em setembro do ano passado, o Parlamento ter aprovado, na generalidade, quatro projetos do PS, PCP, BE e PAN sobre este assunto. Os projetos baixaram à comissão para serem discutidos na especialidade e os deputados acabaram por juntar as propostas num texto comum.

“Este trabalho conjunto consagra as necessárias alterações à lei laboral, fruto de um debate profícuo com os parceiros sociais e outras entidades e organizações de trabalhadores, dando resposta às preocupações evidenciadas nas muitas audições efetuadas e nos diversos contributos recebidos”, pode ler-se no comunicado.

Assim, no caso de transmissão de estabelecimento ou de parte da empresa, os trabalhadores passam a poder opor-se. “O trabalhador pode exercer o direito de oposição à transmissão da posição do empregador no seu contrato de trabalho em caso de transmissão, cessão ou reversão de estabelecimento, ou de parte de empresa ou estabelecimento que constitua uma unidade económica […], quando aquela possa causar-lhe prejuízo sério, nomeadamente por manifesta falta de solvabilidade ou situação financeira difícil do adquirente ou, ainda, se a política de organização do trabalho deste não lhe merecer confiança”, indica a proposta.

No âmbito da transmissão da empresa, e com base no direito de oposição, o trabalhador pode terminar o contrato com justa causa, tendo direito a compensação.

Caso a transmissão para outra empresa se concretize, os trabalhadores estarão protegidos. “Os trabalhadores transmitidos ao adquirente mantêm todos os direitos contratuais e adquiridos, nomeadamente retribuição, antiguidade, categoria profissional e conteúdo funcional e benefícios sociais adquiridos”, pode ler-se na proposta.

Há também mudanças no conceito de “unidade económica”, que se entende como “o conjunto de meios organizados que constitua uma unidade produtiva dotada de autonomia técnico-organizativa e que mantenha identidade própria, com o objetivo de exercer uma atividade económica, principal ou acessória”.

As médias ou grandes empresas passam ainda a estar obrigadas a prestar um conjunto de informações ao serviço com competências de inspeção do Ministério do Trabalho. Uma obrigação que se estende a micro ou pequenas empresas caso o serviço de inspeção faça o pedido. Ao mesmo tempo, o Ministério pode vir a ser envolvido nas negociações com os trabalhadores.

(Notícia atualizada às 15:23)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores vão ter palavra final na transmissão para outra empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião