Altice terá suspendido transferências de trabalhadores para outras empresas

  • Lusa
  • 20 Outubro 2017

Os sindicatos da PT dizem ter recebido garantias da Altice de que as transferências de trabalhadores para outras empresas parceiras e do grupo foram "suspensas para reanálise".

Os sindicatos representativos dos trabalhadores da Altice/PT informaram esta sexta-feira ter tido garantias, por parte dos responsáveis da empresa, de que as transferências de funcionários para outras empresas, que têm gerado polémica, “estão suspensas para reanálise”. “Fomos informados pelos fundadores da Altice [que comprou a PT/Meo há dois anos] que as novas transmissões estão suspensas para reanálise e que será intensificado o diálogo através da nova CEO [presidente executiva], engenheira Cláudia Goya, para encontrar soluções consensuais”, indicam as estruturas (sindicatos e comissão de trabalhadores) em comunicado.

A informação foi obtida numa reunião realizada na terça-feira à noite com os fundadores e acionistas maioritários da Altice, Patrick Drahi e Armando Pereira, e a presidente executiva da Meo, Cláudia Goya, que decorreu numa sala da Altice Arena (local onde, horas antes, houve uma conferência de imprensa). Ao todo, cerca de 155 trabalhadores foram transferidos para outras empresas fora do universo da PT/Meo, no âmbito da figura jurídica de transmissão de estabelecimento, a qual garante que estes colaboradores mantêm por 12 meses as regalias que tinham.

Atualmente estão a ser discutidas pelo parlamento na especialidade alterações ao Código do Trabalho na transmissão de estabelecimento. Na reunião com os dirigentes da Altice foi também dito que “a empresa está em transformação de operador de telecomunicações para uma empresa de telecomunicações, multimédia e conteúdos [devido à compra do grupo de comunicação social Media Capital] e que, por isso, necessitavam de trabalhadores com capacidades e competências para garantir a mudança”, acrescentam as estruturas.

Notando que Armando Pereira se comprometeu com uma nova reunião “antes do Natal”, os representantes dos trabalhadores sublinham que “o processo de luta em curso só deixará de existir quando houver uma pacificação efetiva das relações laborais e isso só será possível se as reivindicações acima transcritas forem globalmente conseguidas”.

Nos últimos meses, a empresa tem sido alvo de protestos por motivos laborais, razão pela qual “o clima social” é de “grande turbulência e conflitualidade”, assinalam. Insistiram, por isso, “na pacificação das relações laborais através da manutenção de um modelo social justo, equilibrado e motivador que respeite o passado, honre o presente e defenda o futuro”, referem na nota.

As estruturas representativas aproveitaram ainda a reunião para reafirmar o seu “descontentamento sobre a situação existente na PT Portugal e já denunciada pela Autoridade para as Condições do Trabalho”, exigindo que a Altice “respeite a lei e os direitos dos trabalhadores” e “resgate os trabalhadores transmitidos pondo fim” a novas situações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice terá suspendido transferências de trabalhadores para outras empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião