Google quebra o silêncio sobre unidade em Portugal: “Não é um call center”

  • Lusa
  • 8 Fevereiro 2018

Falando pela primeira vez sobre o investimento em Portugal, a Google assegurou que o espaço que vai abrir em Oeiras não é um call center, mas sim um centro de operações com vários serviços.

A empresa tecnológica Google assegurou esta quinta-feira que o espaço que vai abrir em Oeiras não é um call center, mas sim um centro de operações com vários serviços, como financeiros, e mostrou-se surpreendida com a discussão.

“Temos call centers [centros de atendimento telefónico], mas o escritório, o centro de inovação que a Google vai abrir para a Europa, Médio Oriente e África em Lisboa não é um call center”, garantiu aos jornalistas o diretor de Assuntos Institucionais da Google Portugal e Espanha, Francisco Ruiz Anton.

Falando à margem da apresentação de resultados do primeiro ano do projeto Ateliê Digital, em Lisboa, o responsável mostrou-se também admirado com a polémica gerada em torno do tipo de espaço: “Surpreende-me esta discussão porque é um centro de operações da Google. Não tem sentido essa discussão”.

Em causa está, segundo Francisco Ruiz Anton, um total de 535 postos de trabalho, para diversas áreas.

Temos call centers [centros de atendimento telefónico], mas o escritório, o centro de inovação que a Google vai abrir para a Europa, Médio Oriente e África em Lisboa não é um call center.

Francisco Ruiz Anton

Diretor de Assuntos Institucionais da Google Portugal e Espanha

“Podem ser serviços financeiros de apoio à Google que se prestem desde aqui, como outros serviços. Falamos de todas [as vagas], depende dos serviços que prestem”, afirmou o responsável, quando questionado sobre quais os trabalhadores que a multinacional norte-americana procura no país.

A estimativa é que, “se tudo correr bem”, este centro de inovação comece a funcionar no final de julho, estando previsto para o parque empresarial Lagoas Park, em Oeiras.

Francisco Ruiz Anton escusou-se a apontar valores de investimentos, mas sustentou que “o maior investimento” relaciona-se com os empregos a criar, num tipo de centro “onde é possível crescer” na carreira. “É uma grande notícia para este país e uma grande prova da confiança da Google”, notou.

Falando sobre os motivos que levaram a empresa a querer instalar-se em Portugal, o responsável recusou que tenha sido pelos custos laborais.

“Havia uma série de países em lista para abrir este escritório e os custos laborais não foram o motivo para vir para cá. Posso assegurar que havia outras opções com custos laborais mais baixos”, referiu Francisco Ruiz Anton.

Ao invés, a empresa escolheu Portugal por ser “um país que está a apostar no setor tecnológico, no empreendedorismo e nas startup”. “Se a Google está cá é porque aqui há talento, gente formada”, vincou.

Presente na ocasião, o ministro da Economia, Caldeira Cabral, observou que “a Google não é apenas uma empresa que chega a Portugal para criar empregos”.

Se a Google está cá é porque aqui há talento, gente formada.

Francisco Ruiz Anton

Diretor de Assuntos Institucionais da Google Portugal e Espanha

“É mais um exemplo interessante de uma empresa tecnológica que chega a Portugal para desenvolver tecnologia e desenvolver coisas para o mercado português e para todo o mundo”, apontou aos jornalistas.

Um dos projetos em curso é o do Ateliê Digital, iniciado há um ano, que neste período permitiu que 35 mil portugueses adquirissem competências digitais, tanto em sessões presenciais como ‘online’.

Francisco Ruiz Anton disse ainda aos jornalistas que outra das iniciativas da Google em Portugal é o projeto GEN10S, que visa formar crianças entre os oito e os 12 anos, que se encontrem em risco de exclusão social, em programação e código.

“Portugal é um país importante para esta empresa e isso demonstra-se na quantidade de projetos que estamos a desenvolver aqui”, concluiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google quebra o silêncio sobre unidade em Portugal: “Não é um call center”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião