Andar de transportes sem bilhete pode dar penhora de bens

  • ECO
  • 9 Fevereiro 2018

Governo que endurecer regime sancionatório, reforçando o papel do Fisco na cobrança das dívidas dos transportes públicos e tornando mesmo possível a penhora de bens, nestas situações.

Andar de transportes públicos sem comprar bilhete não dá direito apenas a uma multa. Segundo avança, esta sexta-feira, o Jornal de Notícias (acesso pago), cabe ao Fisco fazer a cobrança coerciva dessas coimas, podendo, no limite, ser desencadeado um processo penhora de bens.

Desde 2014 que as Finanças têm a responsabilidade de cobrar estas multas, mas até agora nem um cêntimo tinha sido exigido aos utentes sancionados. Nos últimos quatro anos, ficaram assim por liquidar 60 milhões de euros, dívida que o Governo quer ver agora saldada. Nesse sentido, o Executivo pretende endurecer as regras para que o Fisco passe mesmo a penhorar os bens, nas situações referidas.

Em setembro, o regime sancionatório tinha já sofrido um reforço, mas nos nesses últimos quatro meses nada se alterou: as multas continuaram a acumular-se e o fisco não penhorou nenhuns bens para força a cobrança.

Desta vez, a mudança passa, desta vez, pela centralização de toda a informação no Instituto da Mobilidade e dos Transportes, sendo as coimas não regularizadas enviadas para a Autoridade Tributária. Depois, o serviço de Finanças da área de residência do utente avançará com a cobrança e, no limite, com a penhora de bens.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Andar de transportes sem bilhete pode dar penhora de bens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião