Manuel Heitor: Empresas “têm de empregar mais e melhor”

  • Lusa
  • 9 Fevereiro 2018

OCDE alerta para os "mecanismos limitados" de apoio financeiro aos estudantes, nomeadamente aos que decidem retomar os estudos, e frisa que só cerca de 20% dos alunos recebem bolsas.

O ministro da Ciência considera “particularmente importante” o ensino superior politécnico para “a qualificação de Portugal”, assinalando que as empresas “têm de empregar mais e melhor” para entrarem em “mercados mais sofisticados”.

Manuel Heitor falava à Lusa a propósito do relatório preliminar da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) sobre o estado do sistema científico, de ensino superior e inovação nacionais, que foram avaliados em 2017 a pedido do Governo. O relatório, que será apresentado esta sexta-feira em Lisboa, alerta que Portugal continua a ter doutorados a menos, sobretudo nas empresas, e sugere que os institutos politécnicos possam lecionar cursos de doutoramento a par de cursos de curta duração com uma componente mais prática.

Para o ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, “a relevância do ensino politécnico para a qualificação de Portugal, e para a convergência europeia [do país], é particularmente importante”. “O que tenho discutido com os politécnicos é que temos de estimular o desenvolvimento da sua capacidade científica e inovação“, afirmou, acrescentando que, depois de assegurada essa capacidade, está reunida “a condição para oferta de um doutoramento”. “É nesse sentido que estamos a trabalhar, e é essa a orientação que deve ser seguida”, frisou.

Sobre a falta de doutorados nas empresas, considera que “é uma chamada de atenção” às próprias empresas, “que têm de empregar mais e melhor” se querem evoluir. “As empresas, para evoluírem e penetrarem em mercados mais sofisticados, têm de ter pessoas mais qualificadas e, para as atrair, têm que pagar”, vincou, lembrando que há “muitas pessoas que saem de Portugal para encontrar empregos mais bem pagos”.

As empresas, para evoluírem e penetrarem em mercados mais sofisticados, têm de ter pessoas mais qualificadas e, para as atrair, têm que pagar.

Manuel Heitor

Ministro da Ciência

Para Manuel Heitor, a fixação de pessoal qualificado nas empresas “é um esforço coletivo”, que “não depende só do Estado”. Ainda assim, apontou como exemplo de uma política de estímulo às empresas a iniciativa governamental dos laboratórios colaborativos, “formas de partilhar o risco na criação de emprego qualificado” através da cooperação entre universidades ou institutos politécnicos, unidades de investigação e indústria.

O ministro reconhece que “há muitos obstáculos, de natureza socioeconómica”, no acesso ao ensino superior que “requerem um aumento do esforço da ação social escolar”. “É um esforço que temos de continuar a fazer para facilitar um maior acesso ao ensino superior e, com isso, aumentar a qualificação da população”, referiu.

No diagnóstico que faz ao ensino superior, a OCDE alerta para os “mecanismos limitados” de apoio financeiro aos estudantes, nomeadamente aos que decidem retomar os estudos, sublinhando que apenas cerca de 20% dos alunos recebem bolsas, que em muitos casos servem na prática para pagar as propinas.

No relatório preliminar, a organização, da qual Portugal faz parte, adverte ainda para as desigualdades de acesso ao ensino superior, em particular para os alunos que seguem a via profissional no ensino secundário, que, nas provas de ingresso, são avaliados sobre assuntos que não constam nos seus currículos.

Para Manuel Heitor, “a atração” destes alunos para o ensino superior terá de passar pelos cursos técnicos superiores profissionais dos institutos politécnicos. O titular das pastas da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior manifestou reservas quanto a uma Estratégia Nacional para o Conhecimento e a Inovação, defendida pela OCDE para dar orientações claras e concertadas a longo prazo para os setores. “Fomentar a coordenação sempre, mas não exagerar em esforços de centralização no contexto de desenvolvimento das regiões, de ligar a ciência ao território”, sustentou, alegando que a previsibilidade do financiamento, reclamada no relatório, é “um esforço” que “nem sempre é possível” garantir.

Em resposta à avaliação da OCDE, o ministro promete “para breve” medidas, sem as mencionar, depois de o Governo se reunir e analisar o relatório.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Manuel Heitor: Empresas “têm de empregar mais e melhor”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião