A tarde num minuto

  • ECO
  • 12 Fevereiro 2018

Não sabe o que se passou durante a tarde desta segunda-feira? Em apenas um minuto, fique a par das notícias mais relevantes.

A taxa de desemprego está a baixar em Portugal, e a virar as atenções para a qualidade do emprego. Isabel dos Santos respondeu, no Twitter, ao Governo angolano. Depois das perdas da semana passada, a bolsa de Lisboa recuperou 1,48%. Marcelo Rebelo de Sousa falou sobre as exportações e deixou um apelo ao Governo. Com a criação de um novo regime de supervisão financeira o que muda para as mutualistas? Fique a par dos temas que marcaram a tarde desta segunda-feira, em apenas um minuto.

Num momento em que a taxa de desemprego continua a cair, as atenções viram-se para a qualidade do emprego criado. A precariedade no mercado de trabalho tem estado no centro do debate público: governo e partidos políticos esgrimem argumentos sobre se o recurso das empresas a vínculos precários é excessivo e como deve ser reduzido.

Isabel dos Santos respondeu no Twitter ao Governo angolano, que diz que a Sonangol não recebeu dividendos da Galp, onde é acionista. A empresária diz que angolanos até pagaram impostos na Holanda.

Depois de uma semana negra em que o PSI-20 perdeu dois mil milhões de euros, a praça lisboeta recuperou esta segunda-feira. O índice subiu 1,48% depois de ter perdido 4% na semana passada. Ao todo, em duas semanas, apesar de ter interrupções cirúrgicas, a bolsa caiu cerca de 8%. Mas esta subida ainda não apagou a semana negra de quedas.

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou, esta segunda-feira, que as exportações têm que crescer “muitíssimo mais” e defendeu “um salto” no financiamento do setor. O Presidente da República pede ao Governo que esteja atento e que faça dessa área uma prioridade.

O Governo vai criar um novo regime de supervisão financeira para as mutualistas de grande dimensão, que passam a responder ao regulador dos seguros. Grandes seguradoras têm regime de transição de 12 anos.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

A tarde num minuto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião