Apple: Saiba o que muda no iPhone com o novo iOS

A Apple já está a preparar uma nova versão do iOS, o sistema operativo da marca. Vai haver melhorias no modo "Não Incomodar" e na assistente Siri. Descubra o que já se sabe, de acordo com a Bloomberg.

O iOS 12 deverá ser apresentado na conferência de programadores WWDC esta primavera e lançado no outono.

Já se conhecem algumas das novidades que a Apple AAPL 0,10% estará a preparar para a próxima versão do sistema operativo iOS, que deverá ser apresentada na primavera e lançada no outono. As revelações foram feitas por Mark Gurman, jornalista da Bloomberg e conhecido pelas suas fontes na fabricante do iPhone. Nos tópicos seguintes, descubra os trunfos que a Apple tem na manga para o iOS 12.

  • Melhorias no modo “Não Incomodar”. A Apple deverá dar novas opções aos utilizadores, como a opção de rejeitar chamadas automaticamente ou silenciar algumas notificações.
  • Jogos multiplayer de realidade aumentada. Segundo Mark Gurman, a Apple deverá introduzir novos jogos de realidade aumentada que podem ser jogados por várias pessoas em simultâneo. É uma tecnologia que usa a câmara do iPhone para mostrar objetos no espaço físico que, na realidade, não estão lá.
  • Aplicação Stocks vai ser redesenhada. A Bloomberg dá como certo que a aplicação de mercados do iPhone, a Stocks, vai ser redesenhada.
  • Animojis chegam ao FaceTime. Em princípio, deverá poder usar os Animojis do iPhone X em videochamadas FaceTime. Ou seja, poderá criar emojis e animá-los com o seu próprio rosto usando a câmara de reconhecimento facial no novo topo de gama da Apple. Os Animojis também deverão chegar a um novo iPad que a empresa estará a desenvolver, já com a câmara especial necessária para esta funcionalidade, e deverão existir novos emojis num novo menu.
  • Aplicativo para pais. A Apple deverá lançar também uma nova ferramenta que permitirá aos pais saber durante quanto tempo é que os filhos estiveram a usar os respetivos iPhones ou iPads.
  • Aplicações multiplataforma. Esta é daquelas novidades que vai agradar à esmagadora maioria dos programadores que desenvolvem aplicações para o ecossistema da Apple: a empresa estará a preparar uma forma de uma aplicação funcionar em iPhones, iPads e computadores Mac (a função deverá chegar já com o novo macOS 10.14). Por isso, algumas das apps do iPhone poderão estar a chegar aos computadores da marca.
  • Siri mais integrada na pesquisa. Mark Gurman escreve que a Siri, a assistente virtual da Apple, deverá estar mais integrada no ecrã de pesquisa dos iPhones e iPads.

Estas são algumas das novidades que a Apple estará a preparar para o novo iOS, que tem o nome de código “Peace”. No entanto, além destas funcionalidades, o método de trabalho na Apple está a mudar. As queixas relacionadas com erros nas aplicações da marca e outros problemas estarão finalmente a serem reconhecidos pela empresa liderada por Tim Cook.

Estes problemas surgem, em parte, devido ao facto de os engenheiros da empresa trabalharem em contrarrelógio para que tudo esteja pronto no final do ano — e, muitas vezes, o trabalho é apressado, indica a Bloomberg. Desta forma, a Apple está, a partir de agora, a dar mais liberdade aos programadores para que possam deixar para outras atualizações alguma coisa que não corra como o planeado. A nova estratégia terá sido apresentada aos engenheiros da Apple em janeiro, escreve a agência.

Assim, para daqui a um ano estarão guardadas outras novidades, como a possibilidade de realizar videoconferências por FaceTime ou uma funcionalidade para ter várias janelas de uma mesma aplicação em simultâneo no iPad, que poderão ser organizadas em abas. Segundo a Bloomberg, esta opção só deverá estar pronta em 2019.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apple: Saiba o que muda no iPhone com o novo iOS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião