Receita fiscal sobre o tabaco recuou 70 milhões

  • ECO
  • 12 Fevereiro 2018

Este foi o único imposto que arrecadou menos receita no ano passado. Ao todo, o Estado conseguiu mais 1.937 milhões de euros em receitas fiscais do que em 2016.

A receita fiscal resultante do imposto que incide sobre o tabaco totalizou 1.445 milhões de euros no ano passado. O valor representa uma quebra de 4,6%, ou menos 70 milhões de euros, em relação ao ano anterior. Esta foi, segundo as contas que o Público (acesso condicionado) apresenta esta segunda-feira, o único imposto que arrecadou menos receita em 2017.

O Governo já esperava uma quebra da receita deste imposto mas, no Orçamento do Estado para 2017, a previsão era de que a queda fosse inferior a 1%. Ao Público, o Ministério das Finanças justifica este movimento com um “efeito único” que aconteceu em 2016: o Orçamento desse ano apenas entrou em vigor em março e trouxe uma subida das taxas do imposto sobre o tabaco. Isso “levou a um aumento das introduções ao consumo nos primeiros meses do ano de 2016“, o que já não aconteceu em 2017, ano em que as receitas voltaram, por isso, a cair.

Quanto aos restantes impostos, houve uma subida generalizada das receitas. O imposto sobre álcool e bebidas alcoólicas registou o maior crescimento, de 44%, impulsionado pelo início da tributação das bebidas açucaradas. As receitas com o IRS aumentaram apenas 0,1%, mas o IRC e o IVA compensaram, com subidas de 9,9% e 5,9%, respetivamente, o que representa aumentos maiores do que o que tinha sido estimado.

Feitas as contas, o Estado arrecadou, no ano passado, mais 1.937 milhões de euros em receitas fiscais, valor que fica muito acima daquilo que o Governo tinha antecipado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receita fiscal sobre o tabaco recuou 70 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião