5 coisas que vão marcar o dia

Hoje é dia de se saber como evoluiu a economia portuguesa em 2017. Serão também divulgados os dados do turismo nesse ano, no mesmo dia em que Carlos Costa dá explicações sobre o Montepio.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga, esta manhã, os dados da evolução da economia portuguesa no conjunto do ano passado, no mesmo dia em que também serão conhecidos os indicadores do turismo, que terão batido um novo recorde. Ainda da parte da manhã, o IGCP vai ao mercado para levantar até 1.250 milhões de euros e o governador do Banco de Portugal vai ao Parlamento para falar sobre a entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) no capital do Montepio. Da parte da tarde, o BCP vai apresentar os resultados financeiros de 2017 e os sindicatos da Função Pública reúnem-se com o Governo.

Economia e turismo: 2017 foi ano de recordes?

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga, esta manhã, a estimativa rápida relativa à evolução das contas nacionais trimestrais no quatro trimestre de 2017. Tudo aponta para que a economia nacional tenha crescido em torno de 2,7% no ano passado, o que, a confirmar-se, será o ritmo anual de crescimento mais elevado desde 2000, um movimento que se explica pelo aumento do investimento e das exportações. A ajudar a economia esteve também o turismo, setor para o qual o INE também irá divulgar as estatísticas anuais. Aqui, não há grandes dúvidas: o turismo deverá ter batido novos recordes em 2017, tanto em número de hóspedes como de receitas dos estabelecimentos hoteleiros.

Portugal vai ao mercado para captar até 1.250 milhões

O IGCP volta ao mercado para realizar dois leilões de linhas de obrigações do Tesouro, com maturidade em outubro de 2022 e outubro de 2028. A agência que faz a gestão da dívida nacional procura emitir entre 1.000 e 1.250 milhões de euros em títulos de dívida. Na última emissão que fez, no início deste ano, o IGCP conseguiu cobrir um quinto das necessidades de financiamento da República para o ano de 2018, ao colocar 4.000 milhões de euros em Obrigações do Tesouro. Nessa altura, a taxa de juro exigida pelos investidores foi de 2,05%, a “mais baixa nestas aplicações nos últimos anos”.

Carlos Costa volta ao Parlamento para falar do Montepio

O governador do Banco de Portugal vai ao Parlamento para uma audição conjunta da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa e da Comissão do Trabalho e Segurança Social. Carlos Costa vai falar sobre “os contornos que envolvem a hipótese de a SCML entrar no capital da Caixa Económica Montepio Geral“. Isto numa altura em que se discute em que moldes poderá ser concretizada essa participação e em que se tem falado da possibilidade de ter sido o Governo a pressionar a Santa Casa para avançar com esta operação.

BCP apresenta resultados de 2017

O BCP vai apresentar os resultados financeiros de 2017, a partir das 17h00. O banco liderado por Nuno Amado reportou lucros de 23,9 milhões em 2016 e, no ano passado, deverá ter conseguido melhorar estes números. No conjunto de janeiro a setembro de 2017, o BCP alcançou lucros de 133 milhões de euros, a beneficiar do aumento da margem financeira, que foi “impulsionada pela continuação da redução do custo dos depósitos e pelo reembolso dos CoCos”.

Função Pública reúne-se com o Governo

A secretária de Estado da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca, vai reunir-se com a Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP), a Frente Comum e a Frente Sindical. Os sindicatos que representam a Função Pública e o Governo deverão aproveitar as reuniões para assinar um protocolo negocial que define as matérias a discutir até ao final do ano, nomeadamente as relacionadas com carreiras e remunerações.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião