Economia terá crescido 2,7% em 2017 e tem subida mais alta desde 2000

  • Lusa
  • 12 Fevereiro 2018

Caso se confirmem estas previsões do INE, isto significa que a economia portuguesa acelerou no quarto trimestre face aos três meses anteriores e abrandou em termos homólogos.

A economia portuguesa deverá ter crescido 2,7% no conjunto do ano passado, o ritmo anual de crescimento mais elevado desde 2000, motivada pelo aumento do investimento e das exportações, segundo a média das estimativas recolhidas pela agência Lusa. O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga na quarta-feira a estimativa rápida das contas nacionais do quarto trimestre de 2017, com a média das estimativas recolhidas pela Lusa a apontar para uma subida da economia de 2,4% em termos homólogos e de 0,6% em cadeia.

Caso se confirmem estas previsões, isto significa que a economia portuguesa acelerou no quarto trimestre face aos três meses anteriores e abrandou em termos homólogos. Recorde-se que o INE divulgou que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 2,5% no terceiro trimestre face ao mesmo período de 2016 e 0,5% face ao trimestre anterior.

Em termos anuais, a economia portuguesa terá crescido 2,7%, o que, para João Borges de Assunção, professor da Universidade Católica, é um dos crescimentos “mais saudáveis desde que Portugal entrou na moeda única”, em 1999. É preciso recuar ao ano 2000 para encontrar um crescimento do PIB superior a 2,7%, já que nesse ano a economia avançou 3,8%.

António da Ascensão Costa, professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), afirma que “é provável que com o crescimento de 2017 o PIB em termos reais (excluindo o efeito da inflação) tenha atingido os valores de 2010, pré ‘troika’, ou seja pré-crise orçamental”, voltando a ultrapassar os 179.000 milhões de euros (segundo dados do INE).

Ainda assim, o economista do ISEF recorda que as previsões iniciais para o crescimento de 2017 rondavam os 1,7%: “Estamos 1% acima do que se esperava há um ano e sensivelmente o mesmo, talvez um pouco mais, acima do crescimento de 2016. Foi um progresso razoável e foi um bom resultado”, considera.

O economista-chefe do Montepio, Rui Serra, justifica que a aceleração do crescimento em 2017 face ao ano anterior sobretudo com o investimento, “que terá crescido a bom ritmo no ano passado”, embora tenha exigido maior importação de equipamentos, dando um “ligeiro contributo negativo às exportações líquidas” de importações.

Para o crescimento anual da economia, António Ascensão Costa destaca a aceleração do consumo privado, que deverá ter aumentado 2,5% e do investimento, “que passou de um crescimento de 1% em 2016 para 9 ou 10% em 2017”.

“O consumo público praticamente não mexeu portanto são aquelas duas componentes da procura que deram maior contributo”, acrescenta o economista do Grupo de Análise Económica do ISEG.

O investimento (com um crescimento a rondar os 9,5% face a 2016) e as exportações (a aumentarem 7%) também são apontados como fatores essenciais por João Borges de Assunção, que acrescenta o impulso dado pela recuperação da zona euro e pela política orçamental, que “também pode ter dado um pequeno contributo para o crescimento de curto prazo, com a anualização dos aumentos que vinham desde 2016”.

O ISEG é o mais otimista, ao estimar que a economia portuguesa tenha crescido 2,7% em termos anuais, 2,5% em termos homólogos no quarto trimestre e 0,8% em cadeia.

Segue-se o Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP), que aponta para uma melhoria do PIB de 2,7% no ano passado, com um crescimento homólogo de 2,4% e de 0,7% em cadeia nos últimos três meses de 2017.

Já o Montepio e o BBVA preveem que a economia portuguesa tenha crescido 2,6% no conjunto do ano, apontando para um crescimento de 0,4% em cadeia e de 2,2% em termos homólogos entre outubro e dezembro de 2017.

No Orçamento do Estado de 2018, divulgado em outubro, o Governo reviu de 1,8% para 2,6% a estimativa do crescimento económico de 2017. Em dezembro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) alinhou-se com o Governo, antevendo que o PIB apresente uma subida de 2,6% em 2017 e, na semana passada, a Comissão Europeia melhorou a sua previsão para 2,7%.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia terá crescido 2,7% em 2017 e tem subida mais alta desde 2000

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião