Dados do PIB: CDS diz que são “extraordinariamente bons”, BE diz que são “a prova de que a direita estava errada”

  • ECO
  • 14 Fevereiro 2018

A presidente do CDS elogiou os resultados da economia portuguesa em 2017, atribuindo o sucesso às empresas. Já Mariana Mortágua, deputada do BE, diz que são "a prova de que a direita estava errada".

A deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, considera que os dados do PIB revelados esta quarta-feira pelo INE são “a prova de que a direta estava errada”. Mas também que devem servir de “alerta” para o Governo de forma a ir “mais longe nas suas políticas de devolução de rendimentos e na proteção dos direitos laborais”.

“Só a política de devolução de rendimentos e e direitos é que pode fazer com que este crescimento seja mais forte, mais consolidado e que continue no futuro”, defendeu a deputada bloquista esta quarta-feira, em declarações transmitidas pela SIC Notícias a partir do Parlamento. Para Mariana Mortágua “o crescimento só é sustentável se for sustentado em bons salários, em emprego estável, em serviços públicos com qualidade”.

“Estes dados são, sem dúvida, uma prova de que a direita estava errada, mas devem também ser uma prova de alerta para o Governo que tem de ir mais longe nas suas políticas de devolução de rendimentos e de proteção do trabalho, dos direitos laborais, porque já se provou que dá resultado e que os resultados são bons”, defendeu Mortágua, introduzindo mais pressão no Executivo numa altura em que se discute na geringonça que mudanças podem existir na lei laboral.

Cristas diz que dados do PIB são “extraordinariamente bons”

“Extraordinariamente bons”. A expressão é de Assunção Cristas e classifica os números da economia portuguesa divulgados esta quarta-feira. Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), o PIB cresceu 2,7% em 2017, o maior crescimento económico desde 2000. Em reação, a líder do CDS atribuiu o mérito aos empresários.

“Certamente que números positivos de crescimento da nossa economia são bons para o país e nós sublinhamos como sendo extraordinariamente bons”, afirmou Assunção Cristas, em declarações transmitidas esta quarta-feira de manhã pela RTP3. Os números divulgados pelo INE destacam a aceleração do investimento no país, o que contribuiu para o aumento da procura interna.

Para a presidente do CDS, “estes números estão associados ao grande trabalho de muitas empresas, quer nacionalmente — que investem e arriscam o seu capital para podermos crescer — quer as que procuram no mundo inteiro formas e oportunidades para expandir o seu negócio“.

Estes números constam da estimativa rápida do INE para o crescimento da economia. Os dados mais finos serão conhecidos apenas no próximo dia 28 de fevereiro.

(Notícia atualizada às 12h19 com declarações do BE)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dados do PIB: CDS diz que são “extraordinariamente bons”, BE diz que são “a prova de que a direita estava errada”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião