Portugal bate recorde ao superar os 20 milhões de turistas em 2017

  • Juliana Nogueira Santos
  • 14 Fevereiro 2018

A atividade turística fechou o ano passado a bater recordes, ultrapassando pela primeira vez a fasquia dos 20 milhões de hóspedes. Ainda assim, a estada-média caiu.

O turismo em território nacional bateu recordes em 2017. Portugal recebeu 20,6 milhões de hóspedes no ano passado, um avanço de 8,9% face a 2016. Os números preliminares divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram ainda um ritmo de crescimento dos proveitos das empresas bem mais alto que o dos hóspedes.

Segundo o INE, os estabelecimentos hoteleiros registaram 20.641.900 hóspedes, um valor nunca antes atingido. As dormidas também avançaram 7,4% face a 2016, registando-se 57.493.000 dormidas. Ainda assim, os turistas ficaram menos tempo por cá, com a estada-média a cair 1,4% relativamente ao ano anterior — o que equivale a 2,79 noites.

Os proveitos totais da hotelaria avançaram a um ritmo mais acelerado que o dos hóspedes, o que significa que cada hóspede está a pagar mais pela sua estadia. Estes localizaram-se nos 3,9 mil milhões de euros, um avanço de 16,6%, face a 2016. Já os proveitos de aposento aceleraram 18,3% para os 2,4 mil milhões de euros, mais um ponto percentual que em 2016.

Evolução do número de hóspedes em Portugal (2005-2017)

Fonte: Instituto Nacional de Estatística

Olhando para o mês de dezembro, o número de hóspedes e dormidas também aumentou face ao período homólogo, com variações de 11,1% e 9,8% respetivamente. A estada-média sofreu uma queda menos acentuada de 1,2% (1,4% em novembro), enquanto os proveitos totais e de aposento cresceram 18,1% e 21,1% respetivamente.

A pesar mais neste ano de recordes esteve o mês de agosto — que foi também o melhor mês de sempre –, com 2,4 milhões de hóspedes em território nacional.

Evolução mensal dos hóspedes em 2017

Fonte: Instituto Nacional de Estatística

A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, já tinha apontado o ano de 2017 como aquele em que se iria observar o “maior crescimento do século” em termos de receitas, ainda que o caminho não tivesse sido sempre feito de avanços.

2017 trouxe mais brasileiros, norte-americanos e polacos

Enquanto o mercado britânico continuou a concentrar uma maior quota no turismo nacional, no ano passado foram o mercado brasileiro, o norte-americano e o polaco a avançar com mais expressão. Mais de 22% dos turistas recebidos em Portugal eram britânicos, um número que avançou apenas 1,1% face a 2016. Já o mercado brasileiro cresceu 35,6% em 2017, o norte-americano avançou 33,4% e o polaco cresceu 30%.

Em segundo lugar na quota de turistas ficaram os alemães (13,6%), seguindo-se os espanhóis (9,7%) e os franceses (9,5%). Já o mercado interno contribuiu com 15,9 milhões de dormidas para o total anual.

Dormidas aumentaram em todas as regiões

As dormidas de residentes e não residentes aumentaram em todas as regiões do país, mas foi a Região Autónoma dos Açores e o Centro que contou com a maior escalada, com 15,8% e 14,5 mais turistas que em 2016, respetivamente.

Ainda assim, o Algarve concentrou 33,1% das dormidas, seguindo-se a Área Metropolitana de Lisboa, com 24,9% do total de dormidas.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h16)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal bate recorde ao superar os 20 milhões de turistas em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião