Regulador dos seguros também chumba nova proposta de supervisão

Depois do Banco de Portugal e da CMVM, também a ASF está contra a criação de um super-regulador do sistema financeiro nacional. São várias as críticas e reservas lançadas pelo regulador dos seguros.

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) reprova a criação de um super-regulador do sistema financeiro nacional. Ao mesmo tempo que “chumba” o modelo, lança várias críticas à proposta do grupo de trabalho mandatado pelo Governo para a reforma da supervisão financeira.

O regulador liderado por José Almaça já respondeu ao Governo no âmbito da reformulação da arquitetura da supervisão financeiro. E o documento apresenta um nota globalmente negativa e com sérias reservas quanto àquilo que foi proposto pelo grupo de Carlos Tavares a quem o Governo encomendou a reforma.

Desde logo, a ASF diz não ser necessária a criação do Conselho de Supervisão e Estabilidade Financeira (CSEF), o super-regulador que virá substituir o atual Conselho Nacional de Supervisão Financeira (CNSF). Não só este novo conselho vem trazer maior complexidade aos trabalhos dos supervisores, reduzindo a sua flexibilidade e aumentando os encargos, defende, para depois dizer que o CNSF pode exercer mesmo papel. Com a vantagem de já ter experiência.

“A ASF antevê como viável a criação de uma nova entidade, embora se admita que o mesmo resultado poderá ser alcançado através do reforço de competências e meios do CNSF“, diz o supervisor dos seguros no contributo enviado nos últimos dias ao Ministério das Finanças. “Com efeito, esta última opção permitiria maximizar o aproveitamento de um organismo com experiência relevante de coordenação entre as autoridades de supervisão financeira, bem como evitar o acréscimo de custos decorrente dos cargos executivos (e possivelmente não executivos) adicionados”, argumenta a ASF.

"A ASF antevê como viável a criação de uma nova entidade, embora se admita que o mesmo resultado poderá ser alcançado através do reforço de competências e meios do CNSF. Com efeito, esta última opção permitiria maximizar o aproveitamento de um organismo com experiência relevante de coordenação entre as autoridades de supervisão financeira, bem como evitar o acréscimo de custos decorrente dos cargos executivos (e possivelmente não executivos) adicionados.”

ASF

Contributo para a Reforma da Supervisão Financeira

E prossegue a sua argumentação em favor da manutenção do CNSF, que deveria ser sujeito a “correções pontuais” (nomeadamente dar-lhe poderes paritários) e a um reforço do seu papel no que toca à troca de informações e à cooperação entre as autoridades de supervisão.

“Entende-se que o reforço das atribuições, dos poderes, dos instrumentos e dos meios do CNSF, aproveitando a experiência e as sinergias que resultaram do seu funcionamento, constitui uma solução menos disruptiva para cumprir as funções de coordenação e de autoridade macroprudencial”, sublinha a ASF.

Numa apreciação global ao documento, a proposta não colhe nota positiva da parte do regulador dos seguros, em linha com os comentários já feitos pelo Banco de Portugal e pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

No entender da ASF, não foi feita uma análise completa que identifique as causas e consequências das fragilidades da atual arquitetura e que deveria ser a base para o novo desenho.

Por outro lado, há muitas dúvidas e incertezas em relação à articulação da supervisão prudencial no setor segurador e dos fundos de pensões e ainda muitas reservas em relação à transferência de poderes adicionais no campo da supervisão comportamental para a CMVM, favorecendo-se um modelo “twin peaks”, segundo a ASF.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulador dos seguros também chumba nova proposta de supervisão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião