BCE: Madrid critica socialistas espanhóis por negarem apoio a De Guindos

  • Lusa
  • 16 Fevereiro 2018

Madrid critica socialistas espanhóis por não apoiarem candidatura ao BCE de Luis de Guindos. Salienta que apoiou Mário Centeno, mesmo sendo o português de outra família política.

O Governo espanhol de direita criticou, esta sexta-feira, o PSOE (socialistas) por não apoiar a candidatura de Luis de Guindos ao BCE, dando como exemplo o apoio que Madrid deu ao socialista português Mário Centeno, apesar de ser de outra família política.

“Apoiámos o candidato português porque era o melhor candidato, não porque era socialista”, disse o ministro porta-voz do executivo espanhol, Inigo Méndez de Vigo, considerando ser “muito estranho que um partido [PSOE] que teve responsabilidades governativas não apoie o candidato espanhol e apoie o de outro país”.

Méndez de Vigo também condenou a posição do PSOE, que considerou a candidatura de De Guindos “um desprezo às mulheres”, mas que depois votou “por um senhor”, em referência ao candidato irlandês, Philip Lane.

O ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, e o governador do banco central da Irlanda, Philip Lane, são os dois candidatos ao lugar que o português Vítor Constâncio vai deixar vago na vice-presidência do Banco Central Europeu (BCE) no final de maio.

Os ministros das Finanças dos países membros da zona euro vão eleger um dos candidatos na próxima segunda-feira, 19 de fevereiro, por maioria qualificada (pelo menos 14 dos 19 países da Zona Euro) e no dia seguinte os ministros das Finanças da União Europeia (UE) aprovarão a nomeação formalmente.

O Governo espanhol assegura que já tem garantidos os apoios necessários para a eleição de Luis de Guindos, tendo os executivos socialistas de Portugal, Eslováquia e Malta manifestado esse apoio publicamente.

A decisão final sobre o próximo vice-presidente do BCE será tomada pelos chefes de Estado e de Governo da UE numa reunião que vão ter em Bruxelas em 22 e 23 de março.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE: Madrid critica socialistas espanhóis por negarem apoio a De Guindos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião