Dois restaurantes londrinos de Jamie Oliver abrem falência

  • Lusa
  • 20 Fevereiro 2018

Em 2015, o chef admitiu que cerca de 40% das suas aventuras empresariais tinham corrido mal e lhe tinham custado dinheiro, apesar de comentar que esses erros lhe tinham ensinado lições “valiosas".

Dois dos principais restaurantes em Londres do mediático ‘chef’ britânico Jamie Oliver declararam falência técnica, mas o cozinheiro conseguiu resgatar um deles do encerramento, informou esta terça-feira a BBC.

O restaurante especializado em bifes “Barbecoa”, localizado na zona central de Picadilly, vai fechar as portas apenas um ano após o lançamento, noticiou o canal britânico. O outro estabelecimento – “Barbecoa St. Paul’s” – situado nas proximidades da catedral São Paulo –, que também entrou em bancarrota, foi resgatado pelo próprio cozinheiro, que o voltou a comprar através de uma empresa subsidiária, por uma soma que não foi revelada pela imprensa.

A empresa Jamie Oliver Restaurant Group está a realizar atualmente cortes em outras áreas do seu negócio, apesar de o ‘chef’ ter injetado em dezembro dois milhões de libras (3,3 milhões de euros) do seu próprio capital. Em janeiro, o cozinheiro britânico anunciou o encerramento de 12 dos seus 37 restaurantes italianos no Reino Unido como parte de um plano de resgate, uma medida que afeta 200 postos de trabalho.

Também no mês passado, Jaime Oliver abriu o seu primeiro restaurante em Portugal, desta cadeia italiana (Jaime’s Italian), em Lisboa.

Segundo documentos judiciais a que a BBC teve acesso, os estabelecimentos de Oliver acumulavam dívidas que ascendiam a 71,5 milhões de libras (8,9 milhões de euros), entre empréstimos, alugueres de espaços, impostos, fornecedores e salários dos trabalhadores. No entanto, de acordo com esta informação, 47 milhões de libras (53,3 milhões de euros) das dívidas estão cobertas através de empréstimos do banco britânico HSBC e de outras empresas detidas pelo ‘chef’.

Em janeiro de 2017, a cadeia de Jaime Oliver já tinha encerrado seis dos seus restaurantes italianos, alegando na altura a “incerteza” gerada pelo ‘Brexit’ – a saída do Reino Unido da União Europeia – e as “duras” condições do mercado.

A BBC recorda que outras cadeias de restauração britânicas tiveram problemas semelhantes nos últimos meses, como o caso da cadeia de hambúrgueres Byron, que fechou cerca de 20 estabelecimentos. Jaime Oliver sofreu vários contratempos nos seus negócios, como o encerramento da sua cadeia Union Jack no ano passado, e o fecho da sua revista Jaime, que funcionava há quase uma década.

Outras áreas dos seus negócios têm tido êxitos, como a Jamie Oliver Holdings – que controla as suas relações com a imprensa e que conseguiu lucros de 5,4 milhões de libras (6,1 milhões de euros) em 2016 – e a Jamie Oliver Licensing, com ganhos derivados de gamas de produtos com o seu nome, e que faturou naquele ano 7,3 milhões de libras (8,2 milhões de euros).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dois restaurantes londrinos de Jamie Oliver abrem falência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião