Maré vermelha nas bolsas europeias. Lisboa cai quase 1%

A bolsa nacional está em queda. Num dia em que o vermelho pinta a generalidade das praças europeias, o PSI-20 cai, com a generalidade dos títulos a desvalorizarem. O BCP destaca-se ao cair mais de 1%.

A Europa está em queda. A generalidade dos índices do Velho Continente arrancou a sessão no vermelho, seguindo a tendência negativa de Wall Street após a divulgação das minutas da Fed. Lisboa não escapa, com quase todos os títulos no vermelho, sendo que o BCP é o título que mais contribuiu para o desempenho negativo ao ceder mais de 1%.

O PSI-20 arrancou a sessão a perder mais de 0,5%, mas já acentuou a tendência. O índice de referência da bolsa nacional regista uma descida de 0,93% com 15 dos 18 títulos em queda, dois inalterados e apenas uma cotada, a Pharol, a subir. Na Europa, o Stoxx 600 recua 0,6%, sendo o espelho das quedas que se registam em todos os mercados de referência.

O BCP, pelo peso que tem no mercado de capitais nacional, é o título que mais contribui para este desempenho do PSI-20. As ações do banco liderado por Nuno Amado seguem a perder 1,3% para 29,17 cêntimos, mantendo assim a tendência que tem marcado as últimas sessões. O BCP volta a cair, após a recuperação na última sessão, mas continua a ser um dos títulos que mais sobe este ano na praça portuguesa.

O setor energético também pressiona, com a Galp Energia a cair 0,84% para 14,715 euros. EDP e EDP Renováveis recuam, sendo que a Jerónimo Martins, outro dos pesos pesados do PSI-20, apresenta uma descida de 0,63% para 17,465 euros.

Os CTT também estão em queda. No dia anterior à paralisação dos trabalhadores, a empresa de correios recua 0,71% para 3,376 euros. A administração da empresa escreveu aos trabalhadores na tentativa de evitar a greve. Nessa carta, a que o ECO teve acesso, fala num protesto que considera ter “motivos exclusivamente políticos e ideológicos”.

(Notícia atualizada às 8h11 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maré vermelha nas bolsas europeias. Lisboa cai quase 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião