Administração dos CTT envia cartas aos trabalhadores. “Greve tem motivos exclusivamente políticos e ideológicos”

Administradores estão a enviar cartas aos trabalhadores numa tentativa de desmobilizá-los da greve de sexta-feira. Um protesto que tem "motivos exclusivamente políticos e ideológicos", diz a empresa.

A 48 horas de mais uma greve convocada pelos sindicatos dos correios, os trabalhadores dos CTT estão a receber cartas e e-mails da administração, liderada por Francisco Lacerda, que procura in extremis a desmobilização face a um protesto que considera ter “motivos exclusivamente políticos e ideológicos”. O ECO teve acesso a duas comunicações que foram endereçadas aos colaboradores dos CTT nas últimas horas, num esforço da gestão para limitar o protesto nacional que vai culminar numa manifestação em Lisboa, esta sexta-feira.

Em concreto, foi o próprio Francisco Lacerda quem enviou uma carta a todos os trabalhadores do grupo e através da qual tenta explicar os “inúmeros desafios” que os CTT têm pela frente e que impõem “um caminho de profunda transformação, decisivo para garantir a sustentabilidade presente e futura da empresa”.

Uma outra comunicação interna foi enviada por via eletrónica pelo administrador António Pedro Silva aos funcionários do Atendimento. E, neste caso, o conteúdo é mais incisivo no sentido de desmobilizá-los da greve: “Percebemos que os motivos invocados são exclusivamente ideológicos e políticos: contra a privatização da empresa. Em nada têm a ver com as relações de trabalho na empresa, procurando, agora, mobilizar os trabalhadores para uma manifestação uma manifestação, procurando atingir os fins ideológicos, contra a privatização da empresa”.

“Temos todos de dizer basta e demonstrar que estamos muito mais empenhados em continuar a construir o futuro, não alinhando em combates ideológicos“, referiu o administrador responsável pela área dos recursos humanos.

Percebemos que os motivos invocados são exclusivamente ideológicos e políticos: contra a privatização da empresa. Em nada têm a ver com as relações de trabalho na empresa, procurando, agora, mobilizar os trabalhadores para uma manifestação uma manifestação, procurando atingir os fins ideológicos, contra a privatização da empresa.

António Pedro Silva

Administrador executivo dos CTT

Contactada, a empresa não quis prestar qualquer comentário.

Várias plataformas sindicais do setor marcaram para o dia 23 uma greve geral nos CTT e empresas do grupo CTT e ainda uma manifestação nacional em Lisboa, a partir das 14h30, num protesto onde se esperam mais de 4.000 trabalhadores e que será “passo decisivo para obrigar o Governo a reverter a privatização dos CTT”, segundo a convocatória da greve.

A administração anunciou em dezembro um plano de reestruturação que vai passar pela saída de 800 trabalhadores e pelo fecho de pelo menos 22 lojas, na sequência da menor atividade do negócio postal enquanto os custos com o Banco CTT continuam a pressionar. Em 2017, os lucros terão afundado 27% para 46,17 milhões de euros, de acordo com estimativas dos analistas.

Esta semana, os sindicatos avançaram com uma lista de pelo menos mais 14 lojas que a administração pretendia encerrar, uma notícia já desmentida pela empresa e que o administrador António Pedro Silva diz ter sido “mais um episódio de ataque, fazendo uso de mentiras sem qualquer fundamento e procurando desestabilizar as nossas pessoas e as populações”.

No e-mail enviado ao pessoal do Atendimento, António Pedro Silva lembra que o “direito à greve é um direito alienável”. “Mas não é disto que estamos a falar”, frisou o responsável.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Administração dos CTT envia cartas aos trabalhadores. “Greve tem motivos exclusivamente políticos e ideológicos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião