Estaleiros de Viana do Castelo vão construir dois navios híbridos em 2018

  • Lusa
  • 21 Fevereiro 2018

A caminho está também um navio 100% elétrico, que deverá surgir em 2020 ou 2021.

A WestSea, subconcessionária dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), vai começar a construir este ano dois navios híbridos, equipados com motores elétricos e de combustão, informou esta quarta-feira fonte da empresa do grupo Martifer.

“Ainda em 2018 estamos em condições de arrancar com os primeiros projetos e construir dois navios híbridos, que depois darão origem a um navio 100% elétrico, que deverá surgir em 2020 ou 2021”, disse Vítor Figueiredo, da WestSea. O responsável pela empresa do grupo Martifer falava em Aveiro durante a conferência “A Economia Portuguesa e a Indústria 4.0: O Cluster do Mar”.

Vítor Figueiredo fez um balanço positivo da presença do grupo português em Viana do Castelo, adiantando que o projeto começou com “uma infraestrutura que estava parada há cerca de dois anos, com alguns equipamentos sem funcionar e alguns edifícios a precisar de restauro”. “Em 2015, já tínhamos contratos de construção naval e até hoje, quatro anos volvidos, já construímos e entregámos cinco navios. Para este ano de 2018, temos mais cinco navios para entregar e já temos em carteira navios para 2019”, avançou.

No futuro, o objetivo da WestSea passa por aprofundar o canal de navegação dos estaleiros, uma obra que, segundo Vítor Figueiredo, “vai permitir duplicar a atividade de reparação naval”. “Neste momento, estamos a trabalhar com a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo e com Ministério do Mar para se reunir condições para poder haver algum investimento no aprofundamento do canal”, disse o mesmo responsável.

Vítor Figueiredo referiu ainda que, atualmente, os estaleiros estão a trabalhar a 100%, dando emprego a cerca de 800 pessoas, e realçou que um dos principais desafios da empresa tem sido a falta de mão-de-obra qualificada. “Temos em curso vários projetos de formação profissional para serralheiros e soldadores para ver se conseguimos colmatar esta necessidade que é ter pessoas qualificadas neste setor para trabalhar”, disse.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estaleiros de Viana do Castelo vão construir dois navios híbridos em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião