Os cinco elogios e os cinco avisos de Lagarde a Portugal

O relatório da 6.ª da Avaliação do Pós-Programa a Portugal tem um tom otimista, tanto em relação ao presente como ao futuro. Mas o FMI também deixa avisos dado que o legado da crise ainda pesa.

A economia portuguesa está mais forte“. É esta a primeira frase que abre o sumário executivo da 6.ª Avaliação Pós-Programa que o Fundo Monetário Internacional (FMI) realizou a Portugal no final do ano passado. No geral, o FMI dá uma nota positiva ao desempenho da economia portuguesa.

O tom é otimista: a economia, o défice, o emprego, a banca e a redução da dívida pública são fatores positivos. Mas nem tudo está melhor ou poderá ser sustentável no futuro. O FMI alerta para riscos relacionados com as finanças públicas, o imobiliário, o turismo, o mercado de trabalho e o malparado.

Os cinco elogios de Lagarde

  1. A economia está melhor e deverá continuar com um rumo positivo, ainda que desacelere nos próximos anos. O FMI confia nas previsões do Governo, ou seja, também espera que a economia cresça 2,2% em 2018, depois de aumentar 2,7% em 2017. O principal contributo para o crescimento económico continuará a ser a procura interna — fruto do consumo privado e do investimento –, sendo que a procura externa líquida terá um contributo ligeiramente negativo;
  2. O Fundo Monetário Internacional melhorou em duas décimas a sua projeção para o défice de dezembro (de 1,4% para 1,2%), mostrando maior confiança nas metas de Mário Centeno. Os técnicos explicam que o saldo orçamental continuou a beneficiar de um crescimento económico “forte”, de uma execução orçamental “controlada” e da descida dos gastos com juros;
  3. Há um indicador que continuará a surpreender em Portugal, na ótica do FMI: a taxa de desemprego tem afundado. Depois de ter caído para 8,9% em 2017, o Fundo estima que o desemprego continue em queda para 7,8% em 2018 — o Executivo estima 8,6% — e 7,2% em 2019;
  4. A dívida pública está numa trajetória descendente, apesar de a previsão do FMI não ter sido alcançada: o Fundo esperava que o rácio da dívida baixasse para os 125,7% do PIB em 2017, mas este ficou em 126,2%. O relatório destaca a boa gestão da dívida, assinalando as melhorias de rating e, consequentemente, o melhor acesso ao financiamento nos mercados. Desta forma, Portugal tem conseguido diminuir o custo com os juros da dívida;
  5. Os bancos portugueses “fizeram progressos adicionais para repararem os seus balanços” em 2017. Essa melhoria dos resultados do sistema financeiro em Portugal é “encorajadora”. O FMI lembra que os aumentos de capital realizados elevaram o rácio CET1 para uma média de 13,5% em setembro, um passo importante para a consolidação da banca;

Os avisos de Lagarde

  1. Ainda que a banca esteja melhor, o fardo pesado do malparado ainda pressiona as contas. Por isso, o FMI aconselha os bancos a continuarem a “limpeza” dos balanços, bem como a “fortalecer os seus modelos de negócio”. Mas para fazerem essa limpeza, tendo em conta as “almofadas” que têm, alerta que podem ser precisos mais aumentos de capital;
  2. Um problema potencialmente ligado à banca é o risco de se criar uma bolha no imobiliário. O preço das casas em Portugal aumentou cerca de 20%, uma evolução alarmante. O alerta do FMI é simples: deve haver uma monitorização desta escalada para evitar repetições de problemas do passado, nomeadamente os níveis de incumprimento do crédito à habitação que deixou a banca com um fardo pesado;
  3. Do lado da economia, há uma dependência que pode limitar o crescimento: o turismo. A estrutura económica de Portugal — onde os serviços do setor do turismo têm um grande peso — fazem com que o país esteja vulnerável a choques externos. O FMI antecipa que a dependência do turismo venha a aumentar a médio prazo: estima que a balança de serviços registe um saldo de 17,1 mil milhões de euros em 2018, dos quais 11,9 mil milhões (69,5%) provenientes do turismo;
  4. O Fundo pede também cautela com os “aumentos permanentes” na Função Pública. Em causa estão os gastos com salários que estão a aumentar e são permanentes, o que pode dificultar as contas públicas quando o ciclo económico for negativo. Os técnicos do FMI referem-se ao fim dos cortes no salário dos trabalhadores do Estado e ao descongelamento das carreiras da Função Pública, o que levará a um aumento gradual dos salários ao longo dos próximos anos;
  5. A equipa do Fundo Monetário Internacional deixou também um aviso ao PCP e BE, partidos que querem ir mais além nas alterações à lei laboral. O FMI avisa Portugal que tem de manter as reformas na lei laboral implementadas durante o programa de ajustamento porque só assim é que a economia poderá absorver futuros choques negativos. Além disso, o Fundo alerta para os efeitos dos aumentos dos custos do trabalho na competitividade externa, nomeadamente com o salário mínimo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Os cinco elogios e os cinco avisos de Lagarde a Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião