FMI revê crescimento europeu em alta. Espanha fica de fora

  • Margarida Peixoto
  • 22 Janeiro 2018

O Fundo Monetário Internacional antecipa um crescimento mais rápido para a economia global. A generalidade do euro também vai crescer mais depressa do que o previsto, mas Espanha piora perspetivas.

A economia global vai crescer mais depressa do que o previsto, o grupo das economias avançadas também, os EUA idem e a zona euro também melhora expectativas. Mas nas revisões em alta do crescimento do PIB, Espanha fica de fora. A culpa é da incerteza política ou, por outras palavras, das tensões na Catalunha. A atualização das projeções foi revelada esta segunda-feira pelo Fundo Monetário Internacional, no World Economic Outlook update.

A economia global deverá ter crescido 3,7% em 2017 e o FMI espera que acelere para 3,9% este ano, um ritmo que se deverá manter em 2019. As perspetivas são mais otimistas: face às projeções de outubro o Fundo fez uma revisão em alta de dois pontos percentuais em cada ano.

O FMI adianta que este crescimento “é generalizado, com notáveis surpresas na Europa e na Ásia”. Mas, “cerca de metade da revisão acumulada do crescimento global em 2018 e 2019” deve-se ao pacote fiscal dos Estados Unidos, lê-se no relatório. Os EUA deverão crescer 2,7% este ano e 2,5% no próximo, o que corresponde a revisões em alta na ordem dos 0,4 pontos e 0,6 pontos respetivamente.

Crescimento mundial

Fonte: FMI

Na Zona Euro, o crescimento será também mais forte do que o antecipado há três meses, subindo 0,3 pontos, para 2,2% este ano e 2% no próximo. De entre as quatro maiores economias — as únicas cujas previsões são revistas no âmbito desta atualização — só Espanha tem uma revisão em baixa, de 0,1 pontos percentuais, para 2,4%. Mas para o próximo ano as perspetivas já são mais positivas.

"O crescimento em Espanha (…) foi revisto em baixa ligeiramente em 2018, refletindo os efeitos da acrescida incerteza política na confiança e na procura.”

Fundo Monetário Internacional

World Economic Outlook update, janeiro 2018

Para justificar a revisão em baixa do crescimento espanhol em 2018, o Fundo não fala explicitamente da Catalunha, mas não deixa de ser claro: “O crescimento em Espanha, que tem sido bem acima do potencial, foi revisto em baixa ligeiramente em 2018, refletindo os efeitos da acrescida incerteza política na confiança e na procura.”

Espanha é o maior parceiro comercial de Portugal, pelo que a economia nacional tende a ser beneficiada — ou prejudicada — pelos desenvolvimentos do lado de lá da fronteira.

Crescimento da Zona Euro e maiores economias

Fonte: FMI

Que mensagens políticas?

Com expectativas mais otimistas, o FMI sublinha duas mensagens fundamentais.

  1. As economias têm de aproveitar o bom momento do ciclo para implementar reformas estruturais e melhorar o seu potencial de crescimento;
  2. Devem também aproveitar para reforçar a sua resiliência financeira e orçamental.

Especificamente para as economias avançadas, a mensagem difere consoante o momento que atravessam os respetivos mercados de trabalho e o comportamento da inflação. Nos casos em que a taxa de desemprego já está suficientemente baixa, antecipando-se a continuidade dessa redução, como acontece nos EUA, há que manter o foco na inflação. Se houver sinais de que está a acelerar, a política monetária deverá normalizar a um ritmo também ele mais rápido.

"Onde a consolidação orçamental seja necessária, o seu ritmo deve ser calibrado de forma a evitar travagens bruscas no crescimento.”

Fundo Monetário Internancional

World Economic Outlook update, janeiro 2018

Já nos países em que estas circunstâncias ainda não se verificam — como é o caso de Portugal e da inflação no euro — “é desejável a continuidade de uma política monetária acomodatícia”, diz o Fundo.

Além disso, os países devem aproveitar para calibrar um ajustamento orçamental continuado, focado no médio prazo, “mas que evite travagens bruscas no crescimento”, lê-se no documento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI revê crescimento europeu em alta. Espanha fica de fora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião