Portugal pode receber 30 centros de serviços. Aicep está a negociar

  • ECO
  • 26 Fevereiro 2018

Após a alemã Devexperts, "acredito que mais investimentos semelhantes virão para o nosso país nos próximos tempos", diz o presidente da AICEP, que garante estar a negociar 30 investimentos.

A Devexperts anunciou este domingo a mudança para o Porto: o centro de serviços desta empresa alemã traz 80 postos de trabalho à cidade Invicta. A Aicep diz que não é a única com Portugal na mira — são 30 os potenciais projetos que estão ainda em fase de negociação.

“A Aicep está neste momento a acompanhar cerca de 30 potenciais projetos de centros de serviços, que se poderão traduzir na criação de mais de cinco mil empregos”, afirma o responsável pela AICEP ao Jornal de Negócios. O presidente da Aicep, Luís Castro Henriques, mostra-se confiante: “A vinda da Devexperts para o Porto é uma boa notícia para Portugal e acredito que mais investimentos semelhantes virão para o nosso país nos próximos tempos“.

O papel da Aicep é, precisamente, o de atrair firmas estrangeiras ao mesmo tempo que promove a internacionalização das empresas nacionais, e diz ter tido esse papel também na captação da Devexperts. “Portugal tem conseguido atrair cada vez mais centros de desenvolvimento e competências mais especializados e inovadores e a Aicep tem trabalhado ativamente para que estes projetos se concretizem”, garante o líder da entidade.

Nos últimos tempos, vários têm sido os nomes anunciados, sendo o mais emblemático o da Google, que surgiu em janeiro. Entre as grandes confirmações está também a Zalando e as já instaladas Daimler (Mercedes) e Uber. No campo das “suspeitas”, está a Amazon, que possivelmente escolherá também o norte do país para acolher algumas das suas operações.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal pode receber 30 centros de serviços. Aicep está a negociar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião