Hoje nas notícias: Aicep, creches e corrupção

  • Rita Atalaia
  • 26 Fevereiro 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que marcam o dia.

Depois de a alemã Devexperts ter dito que vai instalar um centro de investigação e desenvolvimento em Portugal, o presidente da Aicep vem agora revelar que a entidade está a negociar a vinda de mais 30 centros de serviços. Já na Administração Pública, estudo revela que 405 funcionários públicos foram acusados de corrupção no ano passado. Na arena política, aliados de Rui Rio pedem aos deputados contestatários que abandonem o cargo, caso não queiram seguir a política do novo presidente do PSD.

Aicep negoceia vinda de 30 centros de serviços

Será em Portugal que a alemã Devexperts vai instalar um centro de investigação e desenvolvimento. Mas a AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal afirma que há mais empresas a considerar instalar no país centros operacionais. “A AICEP está neste momento a acompanhar cerca de 30 potenciais projetos de centros de serviços, que se poderão traduzir na criação de mais de cinco mil empregos”, de acordo com o presidente da entidade, Luís Castro Henriques. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Só há uma creche a funcionar ao fim de semana e é privada

Das 1.862 creches com acordo de cooperação com a Segurança Social existentes no país, apenas uma funciona aos fim de semana e feriados. Por isso, a solução que o ministro do Trabalho e Segurança Social, Vieira da Silva, está a tentar encontrar para os trabalhadores da Autoeuropa deixarem os filhos nos sábados em que trabalham é quase exclusiva. Na altura em que rebentou a polémica, o gabinete do ministro sublinhou que este “apoio não é novo nem é exclusivo para os trabalhadores da Autoeuropa” e que estava disponível a “todos os trabalhadores”. Leia a notícia completa no Diário de Notícias.

405 funcionários públicos acusados de corrupção

O Conselho de Prevenção da Corrupção concluiu que, no ano passado, dos 1.725 “reportes judiciais” que recebeu, “em 405 foram colhidos elementos probatórios da ocorrência de crime” de corrupção “praticado por funcionário contra os serviços” públicos. Entre estas comunicações, 41% envolvem funcionários da Administração Central. Ou seja, desde forças de segurança até serviços de saúde, passando por entidades que prestam apoios sociais. A Administração Pública eletrónica, a Saúde e as farmacêuticas, as forças de fiscalização e segurança e o Desporto são as outras áreas identificadas neste estudo do conselho. Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso pago).

Futuro imposto do carbono deve servir para baixar IRS e IRC

Dois investigadores fizeram contas ao impacto real das metas de redução de emissões até 2050. E perceberam que só é viável se o país reduzir em 60% as emissões, porque, a partir daí, em 2050, a taxa de carbono dispara para 2.900 euros. O imposto do carbono não vai chegar para baixar emissões de CO2. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado)

Aliados de Rio querem que deputados contestatários deixem o Parlamento

“Deixem o Parlamento.” Este é o pedido dos aliados de Rui Rio aos deputados contestatários. Guilherme Silva, Manuela Ferreira Leite e Pacheco Pereira são alguns dos que exigem que estes renunciem ao cargo, caso não queiram seguir a política do líder. Leia a notícia completa no i (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Aicep, creches e corrupção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião