Fundos do Portugal 2020 podem apoiar empresas com mais 800 milhões de euros

  • Lusa
  • 27 Fevereiro 2018

Governo estuda um instrumento financeiro inovador, como linhas de crédito às empresas, e sistema de incentivo adicional, para apoiar as empresas.

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas disse esta terça-feira que a reprogramação dos fundos comunitários do Portugal 2020 irá reforçar os apoios às empresas, até 800 milhões de euros, para um investimento global de 5.000 milhões de euros.

Em conferência de imprensa, no final da reunião do Conselho de Concertação Territorial, na residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa, Pedro Marques disse que está prevista uma reorientação dos fundos do programa comunitário Portugal 2020, entre os quais apoiar 5.000 milhões de euros de investimento das empresas.

O governante explicou que para um investimento global de 5.000 milhões de euros poderá ser acionado “um sistema de incentivos até 800 milhões de euros”, isto através de um “instrumento financeiro inovador [como linhas de crédito às empresas] e sistema de incentivo adicional”. Ou seja, os fundos europeus servirão para alavancar o investimento privado das empresas.

Entre as outras prioridades da reprogramação dos fundos do Portugal 2020, segundo o ministro, estão o apoio às qualificações profissionais, o reforço do investimento nos sistemas de transportes urbanos pesados e investimentos locais em escolas, centros de saúde e recuperação de património.

No Conselho de Concertação Territorial de hoje, sem a presença do primeiro-ministro, por doença, participaram os ministros Adjunto, da Administração Interna e do Planeamento e Infraestruturas, os secretários de Estado do Tesouro e do Desenvolvimento e Coesão.

O órgão político de consulta e concertação entre o Governo e entidades políticas regionais e locais, com representantes da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), da Associação Nacional de Freguesias (Anafre) e das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, discutiu a reprogramação do programa de fundos comunitários Portugal 2020.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundos do Portugal 2020 podem apoiar empresas com mais 800 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião