Banco de Inglaterra pede regulamentação da bitcoin e outras criptomoedas

  • Lusa
  • 2 Março 2018

Mark Carney, governador do Banco de Inglaterra, mostrou-se a favor da regulamentação das moedas virtuais. O governador disse ainda que as criptomoedas não são um risco para a estabilidade financeira.

O governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, afirmou esta sexta-feira que as moedas virtuais como a bitcoin “falharam” como substitutas do dinheiro tradicional e pediu que estas sejam reguladas dentro dos “mesmos modelos que o resto do sistema financeiro”. Num discurso por videoconferência em Edimburgo, Carney sublinhou que a utilização do dinheiro digital suscita “problemas sobre a proteção dos consumidores e investidores, a integridade do mercado, a lavagem de dinheiro, o financiamento do terrorismo, a evasão fiscal e os controlos de capital e as sanções internacionais”.

Carney também se referiu à volatilidade do valor do dinheiro digital e defendeu que o êxito deste depende em parte de “encontrar o mais tonto”. “Os preços de muitas criptomoedas mostraram as características clássicas das bolhas, incluindo as justificações do novo paradigma, fazendo crescer o entusiasmo dos minoritários e as expectativas de subidas de preços e que dependem em parte de se encontrar o mais tonto”, sublinhou.

As palavras de Carney, que sublinhou que o dinheiro digital não supõe um risco para a estabilidade do sistema financeiro, chegam num momento em que os serviços financeiros estão divididos sobre os benefícios das moedas digitais, cuja natureza volátil provocou que o valor deste tivesse aumentado e descido nos últimos meses. Por exemplo, o valor da popular bitcoin aumentou de 1.000 dólares (813 euros) para quase 20.000 (16.200 euros) em 2017, mas já se desvalorizou para metade este ano e atualmente a cotação é de cerca de 11.000 dólares (8.900 euros), segundo a plataforma especializada Coindesk. Neste sentido, o governador sublinhou que a volatilidade média das dez principais criptomoedas por capitalização bolsista foi “mais de 25 vezes a do mercado de valores norte-americano em 2017”.

Carney sustentou que os organismos de supervisão do Reino Unido querem assegurar que as empresas do mercado de ativos criptográficos aderem aos mesmos modelos regulatórios que o resto do sistema financeiro. O governador reconheceu que a tecnologia poderia “aumentar a eficiência da gestão de dados” e “melhorar a transparência e os processos de auditoria através da criação de registos instantâneos, permanentes e imutáveis de atas”.

“Poderia transformar tudo, desde a forma como as pessoas gerem as suas interações com as agências públicas, incluindo os seus registos de impostos e médicos, até como as empresas administram as suas cadeias de fornecimento”, afirmou Carney.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Inglaterra pede regulamentação da bitcoin e outras criptomoedas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião