Bolsas recuperam, mas medo da guerra comercial mantém-se

O presidente norte-americano decidiu taxar a importação de aço e alumínio, uma medida que está a assustar investidores e analistas. Europa já avisou que vai retaliar.

As bolsas norte-americanas conseguiram recuperar do arranque abrupto desta sexta-feira, sessão em que abriram com perdas de 1%. Ainda assim, no acumulado da semana, Wall Street regista perdas em torno dos 3%, à exceção do Nasdaq, depois de Donald Trump ter anunciado que vai avançar com taxas sobre a importação de produtos, uma medida que está a assustar investidores e analistas.

O índice de referência S&P 500 encerrou a subir 0,51%, para os pontos 2.691,25 pontos. Já o industrial Dow Jones foi o mais penalizado pela medida anunciada por Trump, ao recuar 0,29%, para os 24.538,06, para os pontos. O tecnológico Nasdaq, por seu lado, recuperou significativamente e fechou a subir 1,08%, para os 7.257,87 pontos.

A sessão ficou ainda marcada pela queda da McDonald’s, que afundou mais de 5%, o maior recuou de sempre da cotada, depois de a RBC Capital Markets, que cortou o preço alvo da cadeia de fast-food.

A preocupar os investidores está o impacto que a guerra comercial lançada pelo presidente norte-americano poderá ter sobre as empresas. Donald Trump justifica a decisão com o objetivo de apoiar os produtores norte-americanos, mas, na verdade, a imposição de taxas de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre o alumínio importado poderá ter efeitos nefastos para as empresas do país. Na prática, produtos tão simples como latas de refrigerantes ficarão mais caros.

Por outro lado, há o risco de retaliações por parte de grandes parceiros comerciais, como a China ou a Europa. A Comissão Europeia já respondeu: “As medidas que estamos prontos para implementar vão provar que, com base nas nossas regras, não hesitaremos em proteger a nossa indústria”. A Reuters avança ainda que as autoridades da União Europeia estarão a considerar impor taxas de 25% sobre importações no valor de 3,5 mil milhões de dólares aos Estados Unidos.

Já os analistas estão em alerta quanto ao impacto sobre a economia. Robert Carnell, analista da consultora ING, comenta, citado pela Reuters, que “é assim que começam recessões“.

Trump, por seu lado, mantém-se confiante. Esta manhã, escreveu na sua conta oficial de Twitter que “guerras comerciais são boas e fáceis de vencer”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsas recuperam, mas medo da guerra comercial mantém-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião