Comboio intercidades descarrila na linha da Beira Alta sem fazer feridos

  • Lusa e ECO
  • 4 Março 2018

Comboio intercidades que fazia a ligação de Guarda para Lisboa descarrilou este domingo. Informação atualizada pela CP aponta agora para 74 pessoas a bordo.

Um comboio intercidades que fazia a ligação de Guarda para Lisboa descarrilou este domingo, não havendo para já feridos a registar, segundo informação da proteção civil e da empresa CP. Inicialmente, a CP indicou que estavam 89 pessoas a bordo mas atualizou entretanto a informação, apontando para 71 passageiros e três elementos da tripulação.

O descarrilamento aconteceu pelas 08:40 à entrada do túnel do Coval, próximo de Mortágua, “mas já no município de Santa Comba Dão”, distrito de Viseu, precisou entretanto o presidente da Câmara de Mortágua.

Júlio Norte indicou ainda à agência Lusa que o descarrilamento foi provocado por um deslizamento de terras que ocorreu devido à chuva dos últimos dias, confirmando que não houve feridos.

“O acidente não teve a ver com as obras” em curso nalguns troços da Linha da Beira Alta, acrescentou, frisando que, na sequência dos incêndios de 15 outubro de 2017, os taludes da linha e as encostas na zona estão desprovidos de vegetação, o que “tende a provocar deslizamentos” que arrastam terra, pedras e troncos. O sábado “foi um dia em que choveu bastante”, realçou o autarca.

De acordo com Júlio Norte, “a situação está perfeitamente controlada” e os passageiros saíram sem problemas do comboio acidentado, estando a CP a providenciar o transbordo para autocarros.

O comboio descarrilou no “limite dos dois concelhos” mas já em território do vizinho concelho de Santa Comba Dão, corrigiu ainda o autarca.

O descarrilamento foi da locomotiva e das duas primeiras carruagens.

Governo diz que troço já estava em obras

O secretário de Estado das Infraestruturas afirmou hoje que o troço da linha da Beira Alta onde um comboio descarrilou já estava em obras e que o talude em causa será urgentemente intervencionado.

“Já estão a decorrer obras nesses taludes. O que vai acontecer é que vamos ter de atuar já neste talude”, que motivou o descarrilamento, afirmou Guilherme W. d’Oliveira Martins à Lusa, por telefone.

Segundo o governante, de momento estão a decorrer intervenções nos taludes (planos de terreno inclinado que dá estabilidade e sustentação ao solo) da linha da Beira Alta entre os quilómetros 59 e 82,6, pelo que acidente ao quilómetro 82,1 aconteceu dentro da área em obras.

“Esta situação no talude já tinha sido sinalizada, evidentemente as circunstâncias temporais agravaram a situação”, justificou.

(notícia novamente atualizada, às 14h39, com declarações do secretário de Estado das Infraestruturas)

 

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comboio intercidades descarrila na linha da Beira Alta sem fazer feridos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião