Portugal foi o país europeu que mais agravou as disparidades salariais nos últimos cinco anos

De acordo com os dados da Eurostat, na União Europeia, as mulheres receberam salários 16% inferiores aos dos homens em 2016. Em Portugal a diferença foi de 17,5%.

As discrepâncias salariais continuam. De acordo com os dados do Eurostat, na União Europeia, as mulheres receberam salários 16,2% inferiores aos dos homens em 2016. Mas em Portugal, nesse período, a diferença foi de 17,5% — a sétima maior da UE. Além disso, foi em Portugal que, entre 2011 e 2016, essa discrepância mais se agravou (4,6 pontos percentuais).

No ano de 2016, as mulheres continuaram em níveis salariais inferiores aos homens, revelam os dados do Eurostat (conteúdo em inglês). Na Estónia, República Checa e Alemanha foram os países onde as trabalhadoras mais sofreram com estas desigualdades — ordenados 20% inferiores aos dos homens. Na média da União Europeia, essas diferenças fixaram-se em 16,2%, com Malta a registar o valor mais baixo de todos os estados-membros (11%). Quanto a nós, portugueses, ficamos acima da média da UE, com uma discrepância de 17,5%, com Portugal a fixar-se em sétimo nos países com o valor mais elevado.

No entanto, nos dados publicados esta quarta-feira, há um valor que se destaca: entre 2011 e 2016, as disparidades salariais aumentaram mais em território nacional — um crescimento de 4,6%. Na maioria dos países da União Europeia, as discrepâncias salariais diminuíram, escreve o Eurostat, cabendo à Roménia (-4,4%) e à Hungria (-4%) as descidas mais acentuadas.

Mas as diferenças não se ficam pelos salários. Numa outra estatística, o Eurostat revela que há muito mais mulheres a trabalhar nas áreas como cuidados pessoais, limpeza e ensino. Por sua vez, os homens lideram na construção, na condução e na metalurgia. Nas três principais profissões da União Europeia, lideram as trabalhadoras — cuidados pessoais, limpezas e rececionistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal foi o país europeu que mais agravou as disparidades salariais nos últimos cinco anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião