Portugal foi o país europeu que mais agravou as disparidades salariais nos últimos cinco anos

De acordo com os dados da Eurostat, na União Europeia, as mulheres receberam salários 16% inferiores aos dos homens em 2016. Em Portugal a diferença foi de 17,5%.

As discrepâncias salariais continuam. De acordo com os dados do Eurostat, na União Europeia, as mulheres receberam salários 16,2% inferiores aos dos homens em 2016. Mas em Portugal, nesse período, a diferença foi de 17,5% — a sétima maior da UE. Além disso, foi em Portugal que, entre 2011 e 2016, essa discrepância mais se agravou (4,6 pontos percentuais).

No ano de 2016, as mulheres continuaram em níveis salariais inferiores aos homens, revelam os dados do Eurostat (conteúdo em inglês). Na Estónia, República Checa e Alemanha foram os países onde as trabalhadoras mais sofreram com estas desigualdades — ordenados 20% inferiores aos dos homens. Na média da União Europeia, essas diferenças fixaram-se em 16,2%, com Malta a registar o valor mais baixo de todos os estados-membros (11%). Quanto a nós, portugueses, ficamos acima da média da UE, com uma discrepância de 17,5%, com Portugal a fixar-se em sétimo nos países com o valor mais elevado.

No entanto, nos dados publicados esta quarta-feira, há um valor que se destaca: entre 2011 e 2016, as disparidades salariais aumentaram mais em território nacional — um crescimento de 4,6%. Na maioria dos países da União Europeia, as discrepâncias salariais diminuíram, escreve o Eurostat, cabendo à Roménia (-4,4%) e à Hungria (-4%) as descidas mais acentuadas.

Mas as diferenças não se ficam pelos salários. Numa outra estatística, o Eurostat revela que há muito mais mulheres a trabalhar nas áreas como cuidados pessoais, limpeza e ensino. Por sua vez, os homens lideram na construção, na condução e na metalurgia. Nas três principais profissões da União Europeia, lideram as trabalhadoras — cuidados pessoais, limpezas e rececionistas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal foi o país europeu que mais agravou as disparidades salariais nos últimos cinco anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião