Bulgária e França também saíram dos desequilíbrios excessivos. Mas só Portugal recebe carta

Portugal não foi o único a sair da categoria de país com desequilíbrios macroeconómicos excessivos Bulgária e França também saíram. Mas apenas Portugal vai receber uma carta da Comissão Europeia.

Mário Centeno, presidente do Eurogrupo, e Valdis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia para o euro, em LisboaPaula Nunes/ECO

Portugal vai ser o único dos três Estados-membros que saíram da categoria de desequilíbrios macroeconómicos excessivos a receber uma carta da Comissão Europeia. Bruxelas quis dar um sinal positivo aos desenvolvimentos da economia portuguesa, mas quer ter a certeza que o país consolida essas melhorias. Valdis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia para o euro, admitiu que o caso de Portugal esteve “mais sujeito a interpretações”.

O Pacote de Inverno do Semestre Europeu trouxe boas notícias para Portugal: o país deixou de ter desequilíbrios excessivos na avaliação dos técnicos da Comissão. Na conferência de imprensa, Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos, usou uma imagem para ilustrar o caso português: “Nós estamos hoje perante um copo meio cheio”, assegurou, argumentando que “a tendência é incontestavelmente positiva”. Foi um dia de “boas notícias”, como assinalou Moscovici. Mas ainda há trabalho pela frente.

Foi Valdis Dombrovskis quem veio por água na fervura. O vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo euro também deixou elogios a Portugal, mas coube-lhe anunciar que Bruxelas irá enviar uma carta às autoridades portuguesas para salientar a importância da implementação de medidas para continuar a resolver os desequilíbrios macroeconómicos existentes. Este é um procedimento especial — já usado anteriormente — que vai ser adotado no caso de Portugal, mas não no caso da Bulgária e de França — dois países que também deixaram de ter desequilíbrios macroeconómicos excessivos.

Porquê? Dombrovskis esclarece: “Em relação às cartas, se olharem para a avaliação do ECFIN (Direção-Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros) para os diferentes casos dos países, eu diria que Portugal foi o caso que esteve mais sujeito a interpretações”. “Decidimos optar por uma interpretação positiva, mas ao mesmo tempo queremos enfatizar que ainda persistem grandes desequilíbrios e que Portugal tem de trabalhar para os resolver“, explicou o vice-presidente, assinalando que ainda não há uma data para o envio da carta.

No entanto, esta carta será enviada antes de o Governo divulgar o seu Programa Nacional de Reformas (PNR) e o Programa de Estabilidade (PE). O objetivo de Dombrovskis é estimular Portugal a continuar a implementar reformas estruturais de forma “ambiciosa”, algo que quer ver “detalhado” no PNR. Depois de apresentados esses documentos, Bruxelas divulgará as suas recomendações específicas por país em maio.

A decisão “positiva” para Portugal feita no colégio dos comissários foi mais consensual no caso da Bulgária e França (que ainda está sob o Procedimento por Défices Excessivos). Em ambos os países, a decisão foi mais clara pelo que não vão receber uma carta na caixa de correio. Sobre França, Valdis Dombrovskis disse que o país “apresentou reformas muito ambiciosas e muito abrangentes”.

Quando se referiu à Bulgária e a Portugal ao mesmo tempo, o vice-presidente colocou a tónica dos problemas no caso português. “O mesmo acontece [saída dos desequilíbrios excessivos] também à Bulgária e Portugal, mas no que se refere às questões atuas ainda há grandes desafios no caso de Portugal, sobretudo no que se refere ao nível de endividamento muito elevado dos particulares, das empresas e também do endividamento público e, portanto, as autoridades português foram convidadas a apresentar um Pacote de Reformas em abril que seja ambicioso”.

Apesar de receber a carta, e estar sob especial atenção, com esta melhoria Portugal também se diferencia de países como a Croácia, Chipre e Itália que continuam a registar desequilíbrios macroeconómicos excessivos. A Comissão Europeia destacou principalmente os progressos no mercado de trabalho com a redução da taxa de desemprego e os desenvolvimentos positivos na consolidação do sistema financeiro. Bruxelas assinala a melhoria registada com o ciclo económico positivo, mas não deixa de estar preocupada com o que acontecerá quando as condições deixarem de ser tão favoráveis.

A boa notícia não retira, porém, Portugal do procedimento por desequilíbrios macroeconómicos. O único país que saiu desse procedimento este ano foi a Eslovénia. Portugal continua lá, mas deixa de estar sob a ameaça de ter sanções — uma dúvida que existiu mas que foi dissipada por Bruxelas no ano passado. A vertente corretiva que leva a sanções está prevista para os países que repetidamente apresentem desequilíbrios macroeconómicos excessivos, algo que agora deixa de estar em cima da mesa em Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bulgária e França também saíram dos desequilíbrios excessivos. Mas só Portugal recebe carta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião