CTT registam queda histórica dos lucros. Caem 56% para 27 milhões de euros

Lucro dos CTT afundou 56% em 2017 para os 27 milhões de euros. Menos negócio no correio postal e nos serviços financeiros penalizaram contas do operador postal.

Lucro ao fundo. Os CTT CTT 5,69% registaram uma queda de 56,1% do resultado líquido para os 27,3 milhões de euros em 2017, como consequência da deterioração do negócio postal que levou a empresa a uma profunda reestruturação nos próximos três anos. Este mau desempenho do operador liderado por Francisco Lacerda saiu pior do que o esperado pelos analistas.

A pressionar as contas estiveram sobretudo três fatores: a queda do tráfego de correio, os gastos com plano de saída de trabalhadores e ainda a entrada da empresa Transporta no Grupo CTT.

Em relação ao negócio core dos CTT, a distribuição de cartas, o operador dá conta de uma quebra de 11,5% do EBITDA — lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações — para os 75,4 milhões de euros. Isto acontece depois de o volume de correio endereçado ter caído quase 5,6% para um total de 736 milhões de objetos entregues pelos correios. Francisco Lacerda adiantou esta quarta-feira em conferência de imprensa que a queda no correio vai continuar.

Também o negócio dos Serviços Financeiros, que inclui a comercialização de certificados de poupança do Estado, viu o EBITDA afundar 19,6% para 30,4 milhões de euros.

Por outro lado, assumindo-se cada vez mais como uma alavanca de crescimento de resultados dos CTT, o negócio de Expresso e Encomendas cresceu 11,4% em 2017 com as receitas a ascenderem a 134,6 milhões de euros. Em relação ao Banco CTT, outra aposta da administração, o volume de negócio atingiu os 7,6 milhões de euros, um resultado ainda pouco expressivo face às receitas totais do grupo.

Saídas custam 12 milhões

Quando às saídas de trabalhadores da empresa, no âmbito do plano de reestruturação anunciado no final do ano passado, os encargos assumidos pelos CTT ascenderam a 11,9 milhões de euros, adicionando pressão sobre as contas. Foram 161 as saídas efetivadas no seio do Plano de Transformação Operacional em curso e que vai levar à saída de mais 800 funcionários nos próximos três anos.

O grupo tinha no final de 12.163 trabalhadores no final do ano passado, mais 14 face a 2016. Apesar da diminuição do número de efetivos, houve um amento do número de trabalhadores contratados a termo certo.

Payout de 200%

Face a este resultado e ao dividendo de 0,38 cêntimos, os CTT vão dar 200% do lucro que tiveram no ano passado. Isto é, apesar de lucros de 27,3 milhões de euros, a remuneração aos acionistas vai chegar os 57 milhões de euros, representando um payout de 208,8%.

Ainda assim, Francisco Lacerda voltou a dizer que esta situação não vai repetir-se no futuro. “Pagar acima do resultado do exercício era a política que estava em vigor. Daqui em diante, a política voltará a ser pagar dividendos limitados aos resultados que tivermos no exercício”, frisou o presidente dos CTT na conferência de resultados.

(Notícia atualizada às 18h32)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT registam queda histórica dos lucros. Caem 56% para 27 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião