Pequenos acionistas dos CTT juntam-se para contestar gestão de Lacerda

Grupo de pequenos acionistas dos CTT contesta "significativos erros de gestão" e nacionalização. Promete levantar a voz na próxima assembleia geral do operador liderado por Francisco Lacerda.

Francisco Lacerda, presidente dos CTT.Paula Nunes / ECO

Não são apenas os grandes acionistas que estão preocupados com o futuro dos CTT. Também os pequenos investidores estão bastante apreensivos com o que se está a passar no operador postal português. Alguns deles avançaram para a criação de um grupo para contestar a gestão de Francisco Lacerda e a discussão pública que se fez em torno de uma eventual nacionalização da empresa. E querem fazer-se ouvir já na próxima assembleia geral do dia 18 de abril.

O momento não inspira grande confiança a Gonçalo Sequeira Braga, um dos promotores deste grupo de acionistas individuais que vai reunir-se no próximo dia 15 de março, em Lisboa.

“Há basicamente duas matérias para discutir: os resultados e a situação interna dos CTT e a tentativa de estatização que a empresa tem sido alvo”, diz este investidor ao ECO. “O objetivo deste encontro é definir uma posição concertada para manifestar as posições dos pequenos acionistas na assembleia geral, que o local onde se devem afirmar estas posições”, explica.

Quando se reunirem no hotel Zenit, na capital, dentro de duas semanas (será a uma quinta-feira, às 18h00), estes pequenos investidores já vão saber como correu o ano de 2017 à empresa. Não se esperam boas notícias quando Lacerda apresentar contas no dia 7 de março: os analistas esperam uma redução do lucro em 27% para os 46 milhões de euros.

Este grupo até ao momento não têm grande expressão no capital dos CTT. Mas a convocatória para este encontro não deixa muitas dúvidas para o que estes acionistas individuais vêm: “Os pequenos acionistas têm assistido com extrema preocupação à prática de erros estratégicos na orientação da empresa e a significativos erros de gestão. (…) Apelamos à participação dos senhores acionistas dos CTT face à gravidade da presente situação, que pode terminar numa destruição e/ou estatização da empresa e, consequentemente, numa espoliação dos nossos ativos financeiros legítimos e com valor, que são as ações dos CTT”.

Desde o dia em que os CTT lançaram um profit warning, a 31 de outubro de 2017, os acionistas viram o valor dos seus títulos cair mais de 30%. Desde então a administração tem procurado medidas para travar a deterioração dos resultados: no plano de transformação operacional anunciado em dezembro estão incluídas medidas como o corte de salários ao gestores, a saída de trabalhadores e o fecho de algumas lojas.

Os pequenos acionistas têm assistido com extrema preocupação à prática de erros estratégicos na orientação da empresa e a significativos erros de gestão. (…) Apelamos à participação dos senhores acionistas dos CTT face à gravidade da presente situação, que pode terminar numa destruição e/ou estatização da empresa e, consequentemente, numa espoliação dos nossos ativos financeiros legítimos e com valor, que são as ações dos CTT.

Grupo de Pequenos Acionistas dos CTT

Campanha para reforçar subscrição de certificados

Num esforço para contrariar o declínio na comercialização de produtos de poupança do Estado, os CTT lançaram na última semana uma campanha de publicidade para promover os Certificados de Tesouro Poupança Crescimento.

Segundo explicou fonte oficial dos CTT, esta ação promocional tem como principal objetivo “informar e dar a conhecer ao público as condições e características da oferta do produto“. “Dá a conhecer a alta rentabilidade proporcionada por estes certificados, com uma taxa de juro média a 7 anos mínima de 1,38%, à qual pode acrescer um prémio de remuneração anual logo a partir do segundo ano”, diz o operador.

A campanha, que arrancou no dia 26 de fevereiro, e que se desenvolve-se nos vários meios — digital, rádios, imprensa e materiais de ponto de venda — surge depois de um arranque de ano fraco ao nível de subscrições destes produtos de poupança.

Spot na rádio

A subscrição líquida de certificados do Estado registou uma quebra de 67% em janeiro, ameaçando mais uma fonte de receita dos CTT, que lucram com as comissões associadas à comercialização destes títulos de poupança do Estado: a empresa recebe comissões com subscrições brutas, resgates e stock.

Os analistas do CaixaBank BPI estão a prever uma queda de 12% das receitas dos CTT com o comissionamento destes títulos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pequenos acionistas dos CTT juntam-se para contestar gestão de Lacerda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião