Cerca de 330 lesados da Espírito Santo Property vão receber nova tranche

Os novos pagamentos totalizam 12 milhões de euros. A dívida reclamada pelos credores desta empresa está quase liquidada.

A Espírito Santo Property, antiga Espart, vai avançar com o pagamento de novas tranches aos investidores de papel comercial que saíram lesados com o colapso do universo Espírito Santo. Os pagamentos, no valor de perto de 12 milhões de euros, abrangem cerca de 330 investidores. A dívida reclamada pelos credores desta empresa está quase liquidada.

A Espírito Santo Property era a empresa que geria o património imobiliário do Grupo Espírito Santo (GES). O Plano Especial de Revitalização (PER) desta empresa, aprovado pela maioria dos credores em junho de 2015, previa o reembolso da dívida reclamada, no valor de 36 milhões de euros, em seis tranches anuais, entre 2015 e 2020. Este mês, a empresa já deu ordem ao banco para o pagamento da tranche deste ano e de 2019, segundo a informação que consta no email que está a ser enviado aos lesados, e a que o ECO teve acesso.

As duas tranches, a serem pagas a cerca de 330 investidores, totalizam quase 12 milhões de euros. Concluído este pagamento, a Espírito Santo Property terá liquidado 84% da dívida total reclamada pelos credores, ficando ainda por pagar cerca de 5,7 milhões de euros.

A cumprir o calendário previsto, esta será a primeira empresa do universo Espírito Santo a reembolsar integralmente o papel comercial subscrito por investidores de retalho. Estes lesados não estão abrangidos pelo acordo alcançado entre o Governo, Banco de Portugal, CMVM e as associações de lesados.

Por reembolsar estão ainda milhares de investidores de outras empresas do GES, nomeadamente a Rioforte e a Espírito Santo International. Ao todo, há cerca de dois mil lesados, detentores de 400 milhões de euros em papel comercial do GES. A maioria deverá começar a receber o primeiro reembolso em abril, altura em que o fundo de recuperação de créditos, gerido pela Patris, for constituído.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cerca de 330 lesados da Espírito Santo Property vão receber nova tranche

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião