Prova dos 9: Preços da eletricidade em Portugal são dos mais altos como diz a Comissão Europeia?

Entre 2013 e 2016, os preços da eletricidade e do gás junto dos consumidores aumentaram em termos nominais 7,8%, sendo que um dos principais motores desse aumento foram os impostos e as taxas.

A Comissão Europeia denuncia que os preços da energia em Portugal são superiores à média europeia, isto apesar das descidas mais recentes e da diminuição da concentração que caracteriza este mercado. No relatório Country by Country do Pacote de Inverno do Semestre Europeu, divulgado esta quarta-feira, Bruxelas precisa ainda que este aumento se deve, sobretudo, aos impostos e taxas que incidem sobre a fatura da energia. É mesmo assim? Como é que Portugal compara com os parceiros europeus a este nível?

A afirmação

Comissão Europeia: “Os preços da energia permanecem elevados. Os preços da eletricidade e gás no retalho são superiores à média europeia.”

Os factos

Entre 2013 e 2016, os preços da eletricidade e do gás junto dos consumidores aumentaram 7,8% em termos nominais, sendo que um dos principais motores desse aumento foram os impostos e as taxas que surgem associados às respetivas faturas e que “em 2016 representaram quase metade do preço final da eletricidade”, detalha a Comissão Europeia.

Em causa não estão apenas impostos como o IVA, mas também as taxas associadas aos custos da rede, energias renováveis e pagamento do défice tarifário. De acordo com a EDP, na fatura da eletricidade está o Impostos Especial de Consumo de Eletricidade (IEC), que em Portugal continental está fixado em 0,001 euros por kWh; a taxa de exploração da Direção Geral de Energia e Geologia; e ainda a Contribuição para o Audiovisual, destinada a financiar o serviço público de radiodifusão e de televisão — tem um valor mensal de 2,85 euros mais o IVA a 6%.

Desta sobrecarga resulta que os preços da eletricidade em Portugal sejam os sextos mais elevados no conjunto da União Europeia, mas em termos de carga fiscal é a terceira mais elevada, como revelam os dados do Eurostat. Só mesmo a Dinamarca (67,1% do preço final são impostos e taxas) e a Alemanha (54%) pagam mais impostos sobre a eletricidade do que Portugal (52%).

Preço da eletricidade em Portugal é o sexto mais elevado da UE

Fonte: Eurostat. Dados referentes ao primeiro semestre de 2017. Valores em euros por kWh

No gás o cenário não é diferente. O preço desceu, aliás foi a segunda maior quebra homóloga da União Europeia no primeiro semestre de 2017 (-15,3%), mas as famílias portuguesas pagavam a energia mais cara da UE. Em paridades de poder de compra (PPC), uma medida que permite comparar todos os países em pé de igualdade, os preços em Portugal são de 9,7 ppc por 100 kWh, seguindo-se a Suécia (9,5) e a República Checa (8,4), em oposição ao Luxemburgo (3,5 ppc por 100 kWh), Reino Unido (4,3) e Bélgica (4,7) que estão no outro extremo.

Ao nível dos impostos no gás, a história repete-se já que Portugal é sétimo país que mais impostos (e taxas) paga, ou seja, 27%. A dianteira cabe à Dinamarca com a maior carga fiscal (55%). Na fatura de gás natural dos portugueses é cobrado o imposto especial de consumo de 0,002412 euros por kWh e ainda a taxa de ocupação do subsolo cujo valor é determinado pelos municípios e que tem um termo variável, aplicado sobre o consumo de gás natural (kWh), e um termo fixo, aplicado sobre o número de dias do período de faturação.

Mas ao nível do gás, a Comissão Europeia aponta o dedo à falta de concorrência neste mercado e ao desenvolvimento limitado do Mercado Ibérico do Gás (MIBGAS), mais do que aos impostos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prova dos 9: Preços da eletricidade em Portugal são dos mais altos como diz a Comissão Europeia?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião