Trânsito em Lisboa? Site da Câmara mostra condicionamentos em tempo real

A plataforma da Câmara Municipal de Lisboa permite filtrar a informação, por exemplo, por data (atual e futura), local, ou se o condicionamento afeta a via toda.

A Câmara Municipal de Lisboa lançou uma plataforma que irá permitir aos munícipes consultarem, em tempo real, os condicionamentos de trânsito autorizados pelo município, e estará ligada às aplicações de cálculo de rotas.

Através de uma parceira entre Câmara, “Waze” e “Google Cloud”, todos os condicionamentos que forem aprovados estarão dentro de, “no máximo cinco minutos, disponíveis” nas aplicações.

Quem quiser consultar esta informação para, por exemplo, antecipar um percurso, pode fazê-lo também através da página de internet da Câmara de Lisboa, no endereço http://www.cm-lisboa.pt/condicionamentos-transito. Onde antes aparecia uma lista dos condicionamentos, passa a estar disponível um mapa que os mostra em tempo real.

Na apresentação foi referido que a plataforma permite filtrar a informação, por exemplo, por data (atual e futura), local, ou se o condicionamento afeta a via toda. A informação poderá depois ser partilhada por e-mail ou em diversas redes sociais.

Na opinião do vereador da Mobilidade do município, esta funcionalidade traz um “benefício direto para o cidadão”, uma vez que “reduz o tempo perdido” em viagens no dia-a-dia.

Num futuro “de muito curto prazo”, a Câmara espera incluir também na plataforma os condicionamentos provocados por acidentes rodoviários.

“Estamos neste momento já em reuniões com a PSP, e temos uma ótima abertura da PSP neste processo”, disse o vereador Miguel Gaspar à Lusa, explicando que “quando há um acidente que constitua uma obstrução relevante da via pública”, o objetivo é “que a PSP logo na sua central carregue o acidente, e que essa informação chegue logo às pessoas”.

Miguel Gaspar estimou para o futuro uma melhoria no serviço de táxi da cidade, uma vez que os “3.500 carros [táxis] na cidade” podem “adaptar os trajetos em função dos condicionamentos da via”.

Isto é algo que, segundo o autarca, “já acontece com a Carris”, porque o autocarro “quando sai já sabe se terá de fazer alguma alteração ao percurso”.

Outro dos exemplos apontados pelo vereador é a coordenação da atividade logística do comércio na capital, pois será possível programar as entregas por parte dos fornecedores.

O objetivo da cidade de Lisboa é ser centralizadora da informação e empurrar a informação para toda a gente, para que toda a gente tenha acesso à informação em tempo útil e que com isto consigamos melhor aquilo que são as cadeias de viagem das pessoas”, acrescentou Miguel Gaspar.

À Lusa, Miguel Gaspar apontou que o investimento nesta plataforma, que “desde novembro faz parte do dia-a-dia” do município, “foi inferior a 70 mil euros”, frisando, porém, que “um pequeno investimento num sistema de informação põe sistemas de milhões de euros a funcionar melhor”.

Na apresentação, que decorreu nos Paços do Concelho, foi também referido que a Câmara de Lisboa recebe “oito mil pedidos de condicionamento por ano”, que anteriormente contavam “10 dias úteis de prazo de resposta”.

Esta plataforma permitiu também a desmaterialização desta informação, a poupança de “120 mil folhas de papel por ano” e a redução do prazo máximo de resposta para seis dias.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trânsito em Lisboa? Site da Câmara mostra condicionamentos em tempo real

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião