“Hipocrisia fiscal” no caso EDP? Esquerda e direita trocam acusações

O PSD acusa o Governo e a maioria de esquerda de "hipocrisia fiscal". Em resposta, o outro lado acusa os social-democratas do mesmo. Em causa está o imposto pago pela EDP em 2017.

A EDP pagou 10,3 milhões de euros, como disse o Expresso no sábado passado, ou 481 milhões de euros, como defende a elétrica? A resposta ficou por dar no debate desta sexta-feira, no Parlamento, convocado pelo PSD sobre “Equidade e competitividade na tributação das empresas”. O Governo recusou-se a dar informação, alegando a confidencialidade dos dados, mas o debate serviu para direita e esquerda trocarem acusações sobre o passado.

O Governo não pode nem deve, muito menos a reboque de notícias de jornal, comentar uma situação fiscal concreta“, disse o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, recusando o pedido de clarificação da situação. O secretário de Estado referiu ainda que a declaração do exercício de 2017 da EDP só é entregue em maio e, portanto, só depois dessa data é que “haverá resultados do ponto de vista fiscal”.

Contudo, o membro do Governo aproveitou para atacar os social-democratas e até recorreu ao filme “Sei O Que Fizeste No Verão Passado”: “Sabemos o que o PSD fez no passado sobre competitividade e equidade das empresas”, apontou. E foi acompanhado pelo deputado do PS, João Paulo Correia, que acusou os social-democratas de terem um discurso de “lágrimas de crocodilo”, “o que é caricato é este debate ter sido proposto pelo campeão no favorecimento fiscal às grandes empresas”.

No início do debate — que tinha sido anunciado por Rui Rio — o deputado social-democrata, António Leitão Amaro, avança que “se houver insuficiências na lei”, o PSD vai exigir “que seja realizada e publicada uma avaliação especialista profunda”. Sobre o caso em si e as regras de tributação de grupos económicos com empresas fora de Portugal, o debate foi curto.

Tanto direita e esquerda recordaram medidas anteriores para se acusarem mutuamente de “hipocrisia fiscal”, uma expressão utilizada pelo deputado do PSD, Duarte Pacheco, no final do debate. CDS e PSD uniram-se no ataque ao regime de reavaliação de ativos, apelidada pelo centrista João Almeida como um “borla fiscal”. O Governo é “incoerente, injusto e imprudente”, acusou o deputado do CDS.

[O PSD é o] campeão no favorecimento fiscal às grandes empresas.

Carlos Pereira

Deputado do PS

À esquerda, PS, BE, PCP e Os Verdes acusaram o PSD de não ser coerente no seu discurso sobre esta matéria. O deputado socialista Carlos Pereira disse mesmo que “o que é caricato é este debate ter sido proposto pelo campeão no favorecimento fiscal às grandes empresas”.

Já Mariana Mortágua acusou o PSD de “desfaçatez”: “Estive a ouvir o deputado Leitão Amaro e encontrei três explicações: ou o senhor deputado enganou-se no discurso, ou enganou-se no partido ou PSD quer-nos enganar e quer fabricar uma posição que não é a sua, não defende e não praticou no passado”.

Uma ideia seguida pelo PCP e Os Verdes que criticaram os social-democratas por estarem no partido cujo Governo foi “generoso para as grandes empresas”, argumentando que “a EDP está a beneficiar da reforma do IRC que o próprio PSD protagonizou”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Hipocrisia fiscal” no caso EDP? Esquerda e direita trocam acusações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião