Loucura do imobiliário transforma cada vez mais lojas em casas

  • ECO
  • 16 Março 2018

Preços são entre 25% e 30% mais baixos dos de um apartamento, o que se deve também ao facto de ser o novo proprietário o responsável pelo processo burocrático e administrativo exigido.

Há cada vez mais anúncios a propor a transformação de espaços comerciais e serviços em habitação. A tendência está a dar os primeiros passos e quem vende diz que os preços são entre 25% e 30% mais baixos dos de um apartamento, avança o Diário de Notícias.

Parte deste desconto deve-se ao facto de ser o novo proprietário o responsável pelo processo burocrático e administrativo que a mudança exige.

O DN dá exemplos de anúncios neste sentido: “Espaço comercial duplex com 70 metros quadrados, com potencial para ser convertido em habitação”, no Beato (Lisboa), por 79 mil euros.

Também na Estrela, há uma loja para ser convertida em habitação, com 43 metros quadrados de área, a 85 mil euros. E na freguesia de São Vicente, está disponível, por 117.500 euros uma “fração comercial remodelada para habitação” com 36 metros quadrados.

Comparando estes preços com aqueles que são pedidos por apartamentos com áreas semelhantes, os descontos podem chegar a 50%. Porém, a generalidade das ofertas não contempla a nova licença de utilização, essencial para que o imóvel seja oficialmente classificado como de habitação.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Loucura do imobiliário transforma cada vez mais lojas em casas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião