Caso “Cambridge Analytica” faz primeira baixa no Facebook. Chefe de segurança de dados deixa cargo

  • ECO
  • 20 Março 2018

A Cambridge Analytica teve acesso a dados de 50 milhões de utilizadores do Facebook e usou-os para divulgar conteúdo direcionado e, assim, influenciar as eleições norte-americanas.

O caso “Cambridge Analytica” fez a primeira baixa no Facebook. O The New York Times avança que Alex Stamos, diretor de sistemas de segurança da gigante tecnológica está de saída. Isto depois de uma investigação do jornal britânico The Guardian ter exposto a intervenção da Cambridge Analytica nas eleições norte-americanas.

O caso já tinha sido denunciado pelo jornal britânico no ano passado. Este mês, o The Guardian revelou novas informações, dando conta de que esta empresa de análise de dados terá tido acesso a dados de 50 milhões de utilizadores do Facebook. A empresa terá usado estes dados para divulgar conteúdos direcionados para este público e, assim, influenciar o sentido de voto da população norte-americana.

O Facebook lançou, entretanto, uma investigação interna para apurar se Joseph Chancellor, um dos seus trabalhadores sabia sobre esta fuga de dados. Chancellor é investigador de psicologia social no Facebook também foi co-diretor da Global Science Research, outra empresa envolvida no caso da Cambridge Analytica.

Mas a primeira baixa atingiu um executivo. Segundo o The New York Times, Alex Stamos só planeia sair em agosto, mas as suas responsabilidades já terão sido atribuídas a outros responsáveis do Facebook. O até agora chefe dos sistemas de segurança foi sempre um dos mais críticos sobre a falta de transparência quanto à intervenção russa na rede social, também para influenciar as eleições norte-americanas.

Alex Stamos esclareceu, entretanto, que deixou o cargo de chefe de segurança de dados, mas que irá apenas mudar de funções dentro do Facebook, passando a focar-se em riscos e segurança nas eleições.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caso “Cambridge Analytica” faz primeira baixa no Facebook. Chefe de segurança de dados deixa cargo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião