Trump considera China e Rússia ameaças ao poder americano

  • ECO
  • 18 Dezembro 2017

Primeiro documento sobre a estratégia de segurança nacional da Administração Trump aponta China e Rússia como principais ameaças ao poder americano. Coreia do Norte e Irão também são criticados.

São quatro os pilares do primeiro documento sobre a estratégia de segurança nacional da Administração Trump: proteger o povo americano, promover a prosperidade dos Estados Unidos, fortalecer os recursos militares e alargar a influência do país. As ameaças, essas, são mais que muitas, mas o empresário nova-iorquino que há pouco mais de um ano ocupa a Casa Branca destaca a China e a Rússia como principais preocupações. O diploma, que será divulgado esta segunda-feira, dará o mote às políticas diplomáticas e militares deste Governo.

No documento, Donald Trump acusa Pequim de manter uma “visão repressiva” e de ter adotado políticas economicamente agressivas com o objetivo de enfraquecer a potência norte-americana, avança o Financial Times. Um mês depois de a ter visitado, o Presidente considera, deste modo, a China uma “concorrente estratégica”.

“A China e a Rússia desafiam o poder americano, influência e interesses, tentando corromper a segurança e a prosperidade dos Estados Unidos”, avisa o diploma. De acordo com o líder americano, estes países são potências “revisionistas” que estão a tentar “moldar o mundo de forma antiética [e contrária] aos valores e interesses dos EUA”.

O documento refere igualmente que o país liderado por Xi Jinping está a ganhar terreno na Europa através de práticas injustas de comércio e ao investir em indústrias chave, tecnologias sensíveis e infraestruturas. Também em África, a China está a expandir a sua presença militar e económica e na América Latina, diz o diploma, está a financiar os Estados e a vender armas para sugar esses países para a sua órbita.

Já a Rússia é acusada de desestabilizar a Europa, através de uma série de atividades militares e não militares — como a intervenção nas políticas domésticas de alguns países. No documento publicado esta segunda-feira há, além disto, críticas à Coreia do Norte e ao Irão — considerados regimes “vilões” — isto é, Estados que são uma ameaça à paz mundial — e aos grupos terroristas e criminosos transnacionais.

Por tudo isto, Donald Trump apela ao fim da complacência que diz ter vindo a caracterizar as ações norte-americanas desde o final da guerra fria.

Alterações climáticas riscadas da lista

Este ano, na lista de ameaças globais, não há lugar para as alterações climáticas. Depois de as ter considerado “um mito”, Donald Trump deixa-as cair do documento sobre a estratégia de segurança nacional, o que contrasta com a posição assumida anteriormente por Barack Obama (o antigo Presidente norte-americano tinha colocado os problemas ambientais no topo da lista de perigos que a nação enfrenta).

Obama tinha tomado a construção de um consenso internacional sobre esta matéria uma prioridade da segurança nacional. Trump dá, desta feita, ênfase aos assuntos económicos e considera a reconquista da competitividade norte-americana uma das principais metas.

“As alterações climáticas não estão identificadas como ameaças à segurança nacional, mas a importância do ambiente e da gestão ambiental estão a ser discutidas“, revela um oficial sénior da administração ao The Guardian.

Recorde-se que, em junho deste ano, Donald Trump, anunciou a retirada dos Estados Unidos do Acordo de Paris, por não o considerar justo para com o país que lidera. Este é um tratado no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, que gere as medidas de redução de emissão dióxido de carbono a partir de 2020.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Trump considera China e Rússia ameaças ao poder americano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião