Ecofin deverá analisar reforma fiscal de Trump

Os ministros das Finanças da União Europeia deverão, esta terça-feira, analisar a reforma fiscal que o Senado norte-americano aprovou durante o fim de semana. IRC das empresas baixa para 20%.

A reforma fiscal da Administração Trump, que vai baixar os impostos para as empresas e poderá elevar o défice dos Estados Unidos na ordem dos biliões de dólares, vai ser discutida no Ecofin esta terça-feira. De acordo com a Bloomberg, os ministros das Finanças dos países da Unão Europeia vão analisar o impacto deste plano nas grandes empresas.

A agência cita quatro fontes conhecedoras dos planos da reunião e indica que o assunto vai ser discutido de manhã, mas à margem da agenda formal do encontro. A prometida reforma fiscal via reduzir a taxa de IRC de 35% para 20% e foi aprovada no Senado durante o fim de semana, depois de uma maratona de debate por parte dos senadores norte-americanos. O plano ainda terá de ser ajustado para corresponder à versão aprovada na Câmara dos Representantes antes de poder ser assinado e promulgado pelo Presidente, Donald Trump.

A reforma fiscal vai beneficiar as empresas mas as correntes de opinião divergem quanto ao real impacto da medida. Por um lado, um recente estudo apontou que a reforma vai elevar o défice na ordem dos biliões de dólares a longo prazo, enquanto, por outro lado, os republicanos defendem que a medida se vai pagar a si própria, uma vez que as empresas deverão conseguir aumentar os lucros graças à redução dos impostos.

O Ecofin reunirá esta terça-feira, no rescaldo da eleição do ministro das Finanças português, Mário Centeno, para o cargo de presidente do Eurogrupo, a entidade que reúne os ministros das Finanças da Zona Euro.

Correção: Uma versão anterior deste artigo indicava que a reforma fiscal iria ser discutida em sede de Eurogrupo. Na verdade, o plano deverá ser discutido em sede de Ecofin.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ecofin deverá analisar reforma fiscal de Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião