Esquerda Republicana deixa partido de Puigdemont em segundo nas intenções de voto

  • ECO
  • 4 Dezembro 2017

A menos de um mês das próximas eleições que decidem o futuro da Catalunha, a esmagadora maioria dos inquiridos afirma que vai exercer o seu poder de voto.

Se as próximas eleições para o parlamento catalão se realizassem agora, a vitória nas urnas seria atribuída à Esquerra Republicana-Catalunya Sí (ERC-CatSí), com 17,1% dos votos entre os inquiridos pelo Centro de Investigações Sociológicas espanhol (CIS). O Junts per Catalunya, o partido de Carles Puigdemont, surge em segundo lugar, com 13,7%. Já 47,3% acreditam na vitória da Esquerda Republicana nas próximas eleições.

De acordo com o último inquérito do CIS, 90,9% dos catalães pretende exercer o seu direito de voto no próximo dia 21 de dezembro, sendo que 70,9% dos inquiridos afirma já ter decidido o seu voto.

As intenções de voto dos catalães, segundo o CIS

Fonte: Centro de Investigaciones Sociológicas

Embora os dados coloquem o Junts per Catalunya em segundo lugar, Carles Puigdemont encontra-se como o candidato favorito à presidência da Generalitat, conquistando a preferência de 28,1% dos inquiridos. Seguem-se o socialista Miquel Iceta, com 15,8%, e Oriol Junqueras, com 15,6%.

Quando confrontados com uma série de alternativas relativas à administração espanhola, 44% dos inquiridos gostariam que Espanha fosse “um estado em que se reconhecesse às comunidades autónomas a possibilidade de se converterem em Estados independentes”. Apenas 6% gostariam que houvesse apenas um Governo central espanhol “sem autonomias”.

Olhando para a situação económica, a maioria das respostas, 36,1%, afirmam que a Catalunha se encontra num contexto “regular”. Já em termos políticos, 37,7% dos inquiridos reconhecem que a situação está “muito má”. Entre os maiores problemas, o inquérito destaca as greves (27,6%), a declaração da independência (14,6%), e a falta de diálogo entre a Generalitat e o governo de Rajoy (12%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Esquerda Republicana deixa partido de Puigdemont em segundo nas intenções de voto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião