Juncker diz que processo independentista da Catalunha foi “um desastre”

  • Lusa
  • 19 Novembro 2017

Juncker considera que os independentistas catalães "não devem subestimar o amplo apoio que o chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, tem em toda a Europa".

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, considerou este domingo que o processo independentista da Catalunha foi “um desastre” e que “nunca devia ter acontecido”, reafirmando o apoio da Europa a uma Espanha unificada.

As declarações foram publicadas este domingo, em entrevista ao jornal espanhol El País, onde Jean-Claude Juncker afirma que “a Catalunha é uma enorme preocupação”. “Não gosto da situação que provocou, é um desastre”, sublinha o presidente da Comissão Europeia.

O processo independentista “rarefez a atmosfera política, gerou uma fratura interna na sociedade espanhola e na catalã: criou problemas dentro das famílias, entre os amigos”, declarou, acrescentando que “é triste” e que “nunca devia ter acontecido”.

Juncker considera que os independentistas catalães “não devem subestimar o amplo apoio que o chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, tem em toda a Europa”. O presidente da Comissão Europeia diz ainda que nunca teve um contacto pessoal com o exonerado chefe do Governo catalão, Carles Puigdemont, e que Rajoy “é um grande amigo” e que apoia “a postura do Governo espanhol”.

“Estou a favor de quem respeita a lei. A UE baseia-se no império da lei, e o que os meus amigos catalães fizeram foi o contrário: desrespeitaram a lei. Estou com quem respeita o quadro institucional, não posso suportar quem viola isso”, afirma o líder europeu.

O Governo espanhol convocou eleições na Catalunha para 21 de dezembro, depois de ter decidido aplicar o artigo 155.º da Constituição, que suspende a autonomia da região. O executivo regional foi destituído e o parlamento regional dissolvido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juncker diz que processo independentista da Catalunha foi “um desastre”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião