Portugal Ventures já tem 280 milhões de ativos em gestão

Capital de risco pública gere 18 fundos de 29 ativos e tem já mais de 90 participadas. Áreas de aposta passam pelas de life sciences e turismo.

Celso Guedes de Carvalho está à frente da Portugal Ventures desde maio de 2016.Paula Nunes / ECO

A Portugal Ventures já tem 280 milhões de ativos em gestão. O gestor de capital de risco público gere ativos de 18 fundos de investimento e tem investido em dotar os fundos de maior liquidez, “coisa que não estava assegurada até agora”.

“Não tinhas dinheiro, não tinhas fundos com capacidade para investimento. Tivemos de fazer vários planos B e C. Tínhamos um de 20, passou a ser de 10. Tínhamos o fundo Turismo-crescimento, constituímos esse novo fundo. E temos ainda projetado para este ano reforço de um fundo nosso. E, com tudo isto que parecia impossível, no ano passado conseguimos projetar 2018 e 2019 com tranquilidade, coisa que não existia há um ano”, explica Celso Carvalho.

Até outubro deste ano, a Portugal Ventures investiu 2,3 milhões de euros em rondas de financiamento de novas participadas. Em entrevista ao ECO, Celso Guedes Carvalho diz que nos planos do capital de risco está um investimento projetado de 17,9 milhões de euros até ao final do ano. “Já estamos muito próximos de atingir esse objetivo mas ainda não o comunicámos. Todos os dados que tenho apontam para que consigamos atingir esse objetivo”, explica.

Além de investimentos em novas participadas, o diretor da Portugal Ventures — que termina o mandato no final do ano — garante que “há o reforço dos investimentos e os investimentos comprometidos com as participadas existentes”. “Segundo aquilo que temos em termos de compromisso de libertação de tranches — são feitas avaliações em termos de milestones — e tudo leva a crer que vamos conseguir cumprir esse objetivo”.

Além disso, nos planos da Portugal Ventures está a aposta em setores-tendência. “Voltamos àquilo que era a missão clara da Portugal Ventures: colmatar as dificuldades de financiamento ao nível de capital de risco e atuando como investidor em startups com tecnologias e em setores considerados estratégicos para a economia nacional. Isto é algo, nomeadamente em life sciences e turismo. Está feito o processo de fase out do que era a nossa missão”, garante.

Notícia retificada às 21h18 devido a imprecisões relativamente ao valor e ao número de fundos envolvidos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal Ventures já tem 280 milhões de ativos em gestão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião