Goldman Sachs tentou reduzir exposição à dívida da Altice

O Goldman Sachs, um dos principais financiadores do grupo de Patrick Drahi, abordou vários fundos para vender parte do passivo da Altice. Dívida de 50 mil milhões também já assusta os bancos.

O Goldman Sachs foi um dos principais bancos a financiar a Altice ao longo dos últimos cinco anos, ajudando o grupo de Patrick Drahi nas muitas aquisições realizadas neste período. No entanto, a instituição tem planos para reduzir a sua exposição à empresa e terá abordado vários fundos no sentido de vender parte da dívida da Altice, que ascende já a 50 mil milhões de euros no total. A notícia foi avançada esta segunda-feira pelo Financial Times [acesso pago/ conteúdo em inglês], que cita fontes familiarizadas com o assunto.

De acordo com o jornal, o banco norte-americano abordou diversos fundos para vender dívida da Altice. As tentativas foram feitas depois de, no início de novembro, começarem a surgir receios de que o grupo não tenha liquidez para amortizar o avultado passivo. As dúvidas apareceram depois da apresentação de resultados fracos relativos ao terceiro trimestre, que fizeram as ações da Altice afundar cerca de 60% durante o mês.

O banco tem sido também um dos beneficiários das comissões pagas pela Altice no âmbito do investimento realizado pelo grupo franco-israelita nas operações de aquisição levadas a cabo em Portugal, França e Estados Unidos. Segundo o Financial Times, as tentativas de venda de dívida por parte do Goldman Sachs sugerem que o nervosismo em relação à liquidez da Altice está a atingir também os bancos que financiam a companhia. Em Portugal, a Altice comprou a Portugal Telecom à Oi em 2015 e, este verão, ofereceu 440 milhões pela Media Capital, dona da TVI.

O mês de novembro foi particularmente conturbado para o grupo de Patrick Drahi, tendo ficado marcado pela perda de valor das ações da companhia e mudanças na gestão. A 21 de novembro, numa carta enviada aos funcionários da PT, o magnata tentou acalmar os ânimos: “A nossa dívida está garantida a 85% com taxa fixa e o primeiro reembolso relevante não acontecerá antes de 2022. Quer isto dizer, claramente, que se as taxas subirem ou se as agências revirem a notação da nossa dívida, tal não terá rigorosamente nenhum impacto na empresa nos cinco próximos anos.” Entretanto, o outlook da dívida da Altice foi revisto em baixa pela S&P.

Face às preocupações, a Altice mudou de discurso. Numa conferência em Barcelona, decretou o fim das compras e anunciou uma mudança de foco para o corte da dívida de 50 mil milhões. Em simultâneo, anunciou que vai vender alguns ativos, como torres de telecomunicações, o negócio na República Dominicana e data centers na Suíça. Esta segunda-feira, as ações da Altice recuperavam 4,83% para 6,985 euros, a segunda sessão consecutiva de ganhos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Goldman Sachs tentou reduzir exposição à dívida da Altice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião