Francisco Pedro Balsemão: Compra da TVI pela Altice “tem de voltar à ERC”

  • ECO
  • 4 Dezembro 2017

Presidente executivo da Impresa, Francisco Pedro Balsemão, critica o "silêncio ensurdecedor por parte dos decisores políticos em relação a uma operação com esta dimensão".

Agora que foi eleita uma nova direção da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), Francisco Pedro Balsemão entende que o negócio da compra da Media Capital pela Altice devia voltar ao regulador. “Ficaria surpreendido se a nova ERC não chumbasse esta operação”, diz.

Em entrevista ao Público, o presidente executivo da Impresa defende que “não pode haver um processo com esta magnitude e complexidade, cujo impacto sobre o pluralismo não seja avaliado pela entidade reguladora da comunicação social”. “É a maior operação de sempre no que respeita a fusões e aquisições em Portugal no setor, pelo que é inultrapassável que passe pelo crivo desta entidade. É a ERC a entidade competente para fazer essa avaliação”, acrescenta.

O Conselho Regulador da ERC não chegou a consenso sobre a operação e enviou o processo para a Autoridade da Concorrência. Para o presidente do grupo que detém a SIC, “tem de ficar claro que a ERC ou já tomou uma decisão – há teses que defendem que, havendo dois elementos em três do conselho da ERC que tomaram uma decisão, logo há uma maioria qualificada –, ou então tem de se pronunciar outra vez“.

Francisco Pedro Balsemão também critica o “silêncio ensurdecedor por parte dos decisores políticos em relação a uma operação com esta dimensão”. E sublinha que “não há razão para ter medo da Altice.” “O poder político estaria a dar um péssimo sinal, se a razão pela qual não está a fazer prova de vida relativamente a este tema fosse o medo”, nota ainda.

“A própria Anacom, quando fez o seu parecer, disse, e bem, que se isto avançasse o jogo estaria viciado, porque a nova entidade, dada a sua dimensão, teria a capacidade e o incentivo para prejudicar os concorrentes. Dão exemplos com os quais eu concordo. No nosso caso seria muito provável que restringisse o acesso dos nossos conteúdos às suas plataformas”, refere o presidente executivo da Impresa. A Altice comprometeu-se a não o fazer, mas Francisco Pedro Balsemão diz que “para isso nem teria feito a proposta de compra sobre a Media Capital, não há nenhuma razão para pagar este montante, se não for para ficar com esta capacidade e incentivo para fazer esse tipo de restrição e ficar com acesso a dados sensíveis e confidenciais sobre os seus concorrentes e a possibilidade de interferir em várias outras áreas como a TDT”.

Balsemão entende que o “híbrido tentacular que resultaria desta operação ficaria com o poder de tal forma a esmagar a sua concorrência”, que “o resultado seria o de fazer com que os concorrentes deixassem de prestar os seus serviços ou então que se tornassem ocos e vazios e mais facilmente dominados por terceiros com outro tipo de agendas políticas e mediáticas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Francisco Pedro Balsemão: Compra da TVI pela Altice “tem de voltar à ERC”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião