Trump puxa pela Europa. Lisboa fica para trás

  • Juliana Nogueira Santos
  • 4 Dezembro 2017

Com o novo plano fiscal de Trump, que alivia a pressão das empresas e dos mais ricos, as bolsas europeias avançaram 1%. Lisboa também avançou, mas a subida foi mais contida.

Donald Trump conseguiu resolver um dos entraves que se impunha à sua presidência desde que pisou pela primeira vez o chão da Casa Branca e os investidores aplaudiram. Com a apresentação da nova reforma fiscal as bolsas norte-americanas aceleraram e as europeias seguiram o mesmo rumo, registando ganhos expressivos. Lisboa também avançou, mas a subida foi mais contida.

No sábado passado, o Senado aprovou este plano com 51 votos a favor, todos republicanos, e 49 contra, abrindo a porta à descida da carga fiscal para as empresas, mas também para os mais ricos. Com estas notícias, as principais bolsas europeias avançaram mais de 1%, enquanto o principal índice nacional ficou-se por uma subida de 0,24% para 5.363,56 pontos.

Com dez títulos em terreno positivo e oito a registarem quedas, foi o BCP, que avançou 0,70% para 25,99 cêntimos, a EDP, que subiu 0,14% para 2,92 euros, e a Jerónimo Martins, que ganhou 0,56% para cotar nos 16,18 cêntimos, que mantiveram o PSI-20 no caminho da Europa.

A travar os ganhos potenciados pela reforma fiscal dos EUA estiveram as ações da Galp que deslizaram 0,16% para 15,98 euros, os títulos dos CTT, que desvalorizaram 2,04% para 3,17 euros, e os da Pharol, que caíram 5,35% para 30,1 cêntimos.

A influenciar a cotação da petrolífera portuguesa esteve o preço do petróleo. Após ter escalado mais de 2% na sequência do prolongamento do corte de produção por parte da OPEP, a matéria-prima segue a desvalorizar, com o barril do Brent a cair 1,22% para 62,94 dólares e o barril do WTI a desvalorizar 0,99% para 57,79 dólares.

Na Europa, os ganhos mais expressivos foram os da bolsa alemã, que avançou 1,53%, seguindo-se a francesa que ganhou 1,36% e a espanhola que valorizou 1,23%. O agregador Stoxx 600 avançou 0,91%.

(Notícia atualizada às 16h56 com mais informação)

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump puxa pela Europa. Lisboa fica para trás

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião