É oficial: EUA vão mesmo abandonar Acordo de Paris

Numa conferência de imprensa na Casa Branca, o Presidente Donald Trump confirmou esta quinta-feira que decidiu que os EUA não vão mais participar no Acordo de Paris sobre as alterações climáticas.

Só dois países não faziam parte do Acordo de Paris até aqui: Síria e Nicarágua. Mas agora os Estados Unidos decidiram juntar-se ao grupo: o Presidente Donald Trump anunciou esta quinta-feira que o país não vai mais participar no tratado alcançado no ano passado, cujo objetivo era limitar as emissões de gases com efeito de estufa para a atmosfera e, assim, mitigar o aquecimento global previsto para os próximos anos.

“Não queremos que outros países do mundo se voltem a rir de nós”, disse Trump, referindo-se ao acordo que considera “injusto para os Estados Unidos e para quem paga impostos no país”.

“Tentaremos renegociar os termos de acordo. Se conseguirmos, muito bem. Se não, muito bem”, disse o Presidente norte-americano, desafiando o mundo a renegociar os termos do Acordo de Paris e sublinhando que os princípios inicialmente acordados seriam injustos para o país e levariam a consequências para a economia e o emprego nos Estados Unidos. “Não posso apoiar um acordo que é prejudicial aos Estados Unidos”, afirmou.

As notícias de que Donald Trump quereria abandonar o acordo assinado por Barack Obama começaram a surgir esta quarta-feira, e os primeiros rumores foram divulgados pelo jornal Axios.

Barack Obama já reagiu ao anúncio de Donald Trump, acusando-o de “rejeitar o futuro” ao retirar os EUA do Acordo de Paris. Em comunicado, o antigo presidente norte-americano afirmou que que a decisão de Trump reflete “a ausência de liderança americana”.

Na sequência dessas notícias, também o CEO da Tesla, Musk, cumpriu a ameaça de sair do Conselho empresarial da administração Trump, do qual faz parte.

“Os Estados Unidos da era Trump vão continuar a ser o país mais limpo e amigo do ambiente do mundo”, acrescentou o Presidente, no discurso, sublinhando que, com a decisão de saída do Acordo de Paris, os Estados Unidos vão continuar a fazer crescer a indústria e o emprego.

(Notícia em atualização.)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É oficial: EUA vão mesmo abandonar Acordo de Paris

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião