Senadora democrata Elizabeth Warren pede destituição de Donald Trump

  • Lusa
  • 20 Abril 2019

A senadora democrata Elizabeth Warren defendeu que o Congresso deve iniciar um processo de destituição do Presidente Donald Trump, na sequência das conclusões da investigação de Robert Mueller.

A senadora democrata Elizabeth Warren, candidata às presidenciais de 2020 nos EUA, defendeu que o Congresso deve iniciar um processo de destituição contra Donald Trump, após as conclusões do relatório Mueller.

“Mueller colocou o próximo passo nas mãos do Congresso” escreveu Elizabeth Warren na rede social Twitter, defendendo que o Congresso tem o poder de proibir o “uso corrupto” da autoridade de Trump enquanto Presidente. Para a antiga professora de direito em Harvard, “o processo correto para exercer esse poder é o impeachment (destituição)”.

“Ignorar os repetidos esforços de um Presidente em obstruir uma investigação sobre o seu comportamento provocaria danos graves e duradouros a este país, além de sugerir que tanto este como futuros Presidentes estão livres de abusar do poder desta maneira”, disse.

Após uma longa investigação sobre a interferência russa nas eleições presidenciais de 2016, o procurador especial Robert Mueller concluiu que não houve conluio entre a campanha de Donald Trump e a Rússia. No entanto, o documento, libertado esta semana, deixa dúvidas quanto a ter havido obstrução à justiça. De acordo com Mueller, o presidente Donald Trump tentou afastá-lo, desincentivou testemunhas a cooperar com os promotores e encorajou os assessores a enganar o público.

O relatório detalha os vários esforços que Trump fez para condicionar a investigação sobre a Rússia que temia que enfraquecesse a sua administração. Mueller escreve também que as tentativas de Trump controlar a investigação e instruir outras pessoas no sentido de o influenciar “não foram bem-sucedidas, em grande parte porque as pessoas que rodeiam o presidente se recusaram a cumprir as suas ordens ou acatar os pedidos”.

Uma versão truncada do relatório de dois volumes e 447 páginas foi finalmente divulgada na quinta-feira. Donald Trump reagiu ao relatório sobre as suspeitas de conluio entre os membros da sua campanha presidencial e a Rússia, em 2016, falando de testemunhos “fabricados”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Senadora democrata Elizabeth Warren pede destituição de Donald Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião